Professores e funcionários exigem aumento salarial e são contra a abertura das creches nas férias

Os profissionais de rede municipal da cidade de São Paulo realizam uma paralisação para reivindicar aumento salarial e protestar contra a decisão da Justiça de manter as creches abertas durante as férias . A greve foi iniciada na última segunda-feira e terminará provavelmente na quarta-feira (4), quando os professores e funcionários realizarão uma assembleia na Praça do Patriarca, em frente à sede da Prefeitura, no centro da capital.

De acordo com o Sindicato dos Profissionais em Educação no Ensino Municipal de São Paulo (Simpeen), o movimento reivindica a antecipação dos índices de reajustes garantidos para 2013 (10,19%) e de 2014 (13,43%), fim da terceirização dos serviços públicos, manutenção das férias coletivas em janeiro para os Centros de Educação Infantil, redução do número de alunos por classe, melhoria do atendimento médico hospitalar, entre outros itens.

O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) determinou em segunda instância que a prefeitura mantenha abertas creches e pré-escolas durante todo o ano, sem fechar para férias. A prefeitura informou que vai recorrer da decisão, pois adota plantão de férias nas creches desde 2008 e sempre registrou pouco movimento nesse período.

A Secretaria Municipal de Educação afirma em nota que o piso salarial dos professores da rede é um dos mais altos do País e que ele dobrou nos últimos cinco anos. Hoje está em R$ 2.600. "12. Os aumentos concedidos até 2014 (10,19% em 2012; 10,19% em 2013 e 13,43% em 2014) foram negociados com a categoria e estão assegurados em lei, para garantir o cumprimento do acordo, mesmo em um momento em que outras categorias, dos três níveis do Poder Executivo, não estão recebendo reajustes", afirma a nota. A prefeitura diz estar aberta para negociar com os professores.

A greve acontece em meio à saída do secretário Alexandre Schneider, após seis anos no comando da pasta. A exoneração foi publicada nesta terça-feira no Diário Oficial. Quem assume é a secretária-adjunta, professora Célia Regina Guidon Falótico.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.