Professores estaduais de São Paulo aprovam greve

Cerca de mil professores da rede de ensino estadual de São Paulo reunidos na sexta-feira, em assembleia, aprovaram entrar em greve na segunda-feira. A categoria reivindica reposição salarial de 34,3%.

iG São Paulo |

Os manifestantes se reuniram na sexta, às 15 horas, na Praça da República, no centro da cidade. Duas horas depois, os professores ainda permaneciam no local. Segundo a Polícia Militar, o protesto dos professores foi pacífico e não interferiu no trânsito. Eles ficaram concentrados em frente ao prédio da Secretaria da Educação.

De acordo com o Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp), a classe fará nova assembleia para avaliar a continuidade da greve na sexta-feira, dia 12.

A Secretaria da Educação divulgou nota classificando a aprovação da greve como uma "decisão política". "A entidade (Apeoesp) contesta todos os programas de evolução educacional instituídos pelo atual governo, extrapolando as reivindicações sindicais", diz o texto. A secretaria também disse "confiar" que o conjunto dos docentes não vai se mobilizar.

Além do reajuste salarial, os sindicatos dos docentes pedem o fim do programa de promoção por mérito, que instituiu uma prova para dar aumentos anuais apenas para os 20% mais bem classificados.

As organizações também são contrárias às provas de classificação para os temporários. Os professores com as melhores notas são chamados antes para a atribuição de aulas, independentemente do tempo de serviço.

* Com Agência Estado

    Leia tudo sobre: greve

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG