Professores do DF entram em greve

Em todo o País, categoria faz paralisação de três dias para exigir cumprimento do piso salarial nacional

Agência Brasil |

Os professores da rede pública do Distrito Federal entraram em greve nesta segunda-feira (12). Em todo o país, a categoria faz um movimento de alerta e paralisa as atividades por três dias – de quarta (14) a sexta-feira (16) – para cobrar de governos estaduais e prefeituras o pagamento do piso nacional do magistério. O presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), Roberto Franklin Leão, destaca que o movimento pode ser ampliado, por tempo indefinido, conforme as assembleias da categoria em cada Estado.

Leia também: Quase 500 mil alunos podem ficar sem aula em Brasília

“Os professores farão atos públicos e passeatas em vários estados brasileiros. A chamada da CNTE é de três dias para fazer uma avaliação, se continuará ou não com a greve. Cada estado tem autonomia de fazer uma avaliação e ver a situação, decidindo se deve [manter] a greve”, disse Leão, em entrevista ao programa Revista Brasil, da Rádio Nacional, que foi ao ar hoje (12).

Leão destacou ainda que o piso salarial em vigor no país – que é de R$ 1.451 – não atende às necessidades dos profissionais em educação. Segundo ele, pelos cálculos da CNTE, o ideal é fixar um piso de R$ 1.937.

“Os governadores e prefeitos em vez de buscarem formas de pagarem sem questionar, não, eles questionam o critério e o valor de reajuste. E, nós não aceitamos esse tipo de coisa e essa paralisação tem essa finalidade”, disse Leão.

Levantamento feito pela Agência Brasil e publicado na semana passada aponta que nove Estados ainda não pagam o valor do piso aos professores.

De acordo com o presidente da CNTE, atualmente muitos Estados e municípios não conseguem provar o que investem em educação. No mínimo, de acordo com a Constituição Federal, 20% do total arrecadado em impostos pelo estado devem ser aplicados em educação.

Agência Brasil
Professores do DF entraram em greve. Cerca de 500 mil estudantes podem ser afetados

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG