Professores devem ser incluídos em programas de leitura

Secretária do MEC defende idéia para sanar as dificuldades de leitura e escrita dos estudantes brasileiros

Priscilla Borges, iG Brasília |

Os últimos dados do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e da Prova Brasil, divulgados pelo Ministério da Educação, mostram que os estudantes brasileiros possuem dificuldades em ler e escrever, que persistem até o fim da educação básica. As notas obtidas pelos jovens em língua portuguesa e redação – em escolas públicas e privadas – são mais baixas que as de matemática ou ciências, por exemplo.

Mudar essa realidade, na opinião da secretária de Educação Básica do MEC, Maria do Pilar Lacerda, exige posturas diferentes não só dos alunos. Os professores precisam ser os grandes alvos das políticas de incentivo à leitura. “O problema é que as pessoas lêem pouco. As famílias da maioria dos brasileiros não são letradas e escolarizadas. Por isso, o hábito de leitura tem de ser desenvolvido pela escola. Inclusive o professor deve ser incentivado”, ressalta.

Pilar conta que, em reunião com 1,5 mil professores da cidade de Florianópolis nesta semana, ela fez um teste para checar a escolaridade deles e das famílias. Perguntou a todos, durante a palestra, quantos tinham curso superior. Ela diz que 98% levantaram a mão em resposta afirmativa. Depois, ela perguntou quantos tinham pais e mães com diploma de ensino médio. Dez por cento responderam afirmativamente. Por fim, perguntou a mesma coisa sobre os avós. Nenhum deles levantou a mão.

“O curso superior representa um salto gigantesco para essas pessoas. Mas elas também não foram criadas com hábitos de leitura. Por isso, investimos esse ano em um programa para criar bibliotecas para os professores. Queremos que cada biblioteca escolar tenha uma estante dedicada ao professor. O sucesso dos estudantes depende de um projeto consistente, que envolva toda a escola e induza até o professor a ler”, destaca.

Para a secretária, a Olimpíada Brasileira de Língua Portuguesa também pode contribuir muito para o aprendizado dos alunos na área. Além de estimular os jovens a ler, o evento faz com que os participantes aprimorem a escrita. “No ensino médio, os estudantes precisam saber argumentar para escrever. Elaboramos um jogo em que os professores e os alunos trabalham essa argumentação. Os professores recebem formação para ajudá-los”, diz.

Segundo Pilar, a leitura de estudantes e professores deve mesclar títulos clássicos da literatura com obras contemporâneas, quadrinhos, revistas, jornais e internet. O professor precisa ser o mediador entre os estudantes e as milhares de informações disponíveis atualmente.

“O papel do professor é mostrar para o aluno que os códigos que ele usa para conversar com amigos em ambientes virtuais, por exemplo, não pode ser usado em uma prova. Ele não pode ignorar essa parte da vida do aluno. Ele deve usar essas ferramentas de maneira transformadora. Por isso temos de qualificar o professor”, sentencia.

    Leia tudo sobre: educaçãoenemrankinglíngua portuguesaredação

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG