RIO DE JANEIRO ¿ Alunos de duas tradicionais universidades particulares do Rio de Janeiro têm enfrentado problemas neste início do ano letivo. Os professores das universidades Gama Filho e Cândido Mendes têm paralisado as aulas por falta de pagamento. Em ambos os casos, os profissionais reivindicam, entre outras coisas, a quitação do 13º salário, que está atrasado.

Na Universidade Gama Filho, os professores paralisaram as atividades na última segunda-feira. A instituição informa que somente alguns integrantes de seu corpo docente tinham aderido à greve e que eles retornaram ao trabalho nesta quinta-feira.

De acordo com o Sindicato dos Professores do Município do Rio de Janeiro (Sinpro-Rio), uma assembleia foi realizada na quarta-feira para definir o futuro da greve. Os professores analisaram a proposta apresentada pela reitoria da Gama Filho, mas permanecem em alerta porque alguns pontos não foram aprovados.

Entre as questões que serão reavaliadas está o parcelamento do 13º salário em nove vezes. Uma nova assembleia foi marcada para o próximo dia 19.

Já na Universidade Cândido Mendes, os professores iniciaram a greve em 16 de fevereiro. O corpo docente alega não receber há cinco meses e diz possuir passivos trabalhistas atrasados desde 2001, como férias e FGTS.

Na próxima segunda-feira, professores, funcionários, alunos e pais irão realizar um ato público no campus Centro da universidade. Segundo o Sinpro-Rio, até o momento, a reitoria da Cândido Mendes não ofereceu uma proposta aos professores que justificasse o fim do movimento.

A universidade informa que somente 50% dos professores do curso de Direito do campus Centro estão paralisados. De acordo com a instituição, 40% do corpo docente que recebe entre R$ 2.560 e R$ 4.780 ainda não receberam o 13º salário. Ainda segundo a Cândido Mendes, a universidade possui diversos alunos em situação de inadimplência, cerca de 18% a 25% do total, o que compromete as finanças da instituição.

Em comunidades no Orkut, diversos estudantes das duas universidades reclamam das greves. Estou desiludida, mas deixando rolar. E pensando seriamente em sair. Acho que, se eu pago, preciso ter aulas, correto?, escreve uma aluna da Cândido Mendes. Isso é uma falta de respeito. Pagamos em dia e ainda temos que passar por isso, desabafa outra universitária da Gama Filho.

O valor da mensalidade do curso de Direito no campus Centro da Cândido Mendes está em torno de R$ 900, enquanto alunos da Gama Filho do curso de Medicina pagam uma mensalidade no valor de cerca R$ 1.300.

Leia mais sobre: greve

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.