A preparação para o vestibular é uma das maiores preocupações dos jovens durante o último ano do colégio, onde, normalmente, os adolescentes precisam se dedicar aos estudos para passar de ano e também para conseguir a tão sonhada vaga em uma boa universidade.

Mas será que é possível montar um esquema de estudos em casa, sem precisar recorrer a um cursinho? Na opinião do professor Willian Saitoque, diretor do curso pré-vestibular COC São Paulo, qualquer aluno pode montar um esquema de estudos em casa. A questão é a funcionalidade e o aproveitamento desse esquema. A grande dificuldade está no cumprimento das metas estabelecidas inicialmente.

O professor Alberto Francisco do Nascimento, coordenador de vestibular do curso Anglo, também acredita ser possível um aluno se organizar para estudar em casa e conseguir uma boa colocação. Isso é possível desde que o estudante tenha muita disposição, determinação e que seja organizado ao extremo.

Para Alberto, o estudo torna-se mais fácil para quem não trabalha fora, apenas estuda. Para isso, é necessário que o aluno tenha em mente que haverá horário para tudo, desde a hora em que se levanta até a hora em que vai dormir.

O ideal é que o estudante faça um roteiro com a distribuição das horas de estudo, oito horas é um bom período para se dedicar, desde que seja estudo mesmo, sem dispersões, comenta Alberto.

Depois de organizar o cronograma, é preciso priorizar as matérias que pesam mais no vestibular e aquelas em que o aluno apresenta maior dificuldade. Não aconselho passar horas e horas estudando a mesma matéria. Entre 50 e 60 minutos cada uma é o suficiente. Se não conseguir resolver determinado exercício, não insista muito. O ideal é tirar a dúvida com um professor ou um colega. Sempre tem alguém nessa Terra querendo ajudar, diz.

O professor aconselha ainda que é fundamental fazer um resumo do que já foi estudado (não cópia do que foi lido, mas sim uma interpretação), além de anotações nos livros e fichas com fórmulas de matemática, química e informações que possam ser mais úteis e difíceis de lembrar a todo instante.

Já o professor Caio Calçada, coordenador do curso Objetivo, afirma que, para quem deseja  realmente estudar em casa, é essencial ter em mente as seguintes informações: estar muito claro qual é a meta. Qual é a sua área. Virar o holofote para a meta e focar. Esquecer que tem telefone, que tem TV, que é corintiano, que o Ronaldo vai estrear no seu time. Novela, nem pensar. Nem pela Juliana Paes. Internet, manda desligar. MSN e Orkut serão pecados. Comunique-se com o mundo lendo um jornal ou uma revista semanal. Tenha em mente que este é um ano de estudos.


Estudo solitário

Outra dica importante dada pelos professores é não formar grupos de estudos. Diferentemente do que muitas pessoas pensam, grupos dificilmente dão certo, segundo os docentes. Estudar é um ato solitário, exige muita concentração e disciplina. Se um dia quiser combinar com um amigo, durante 15 minutos, para discutir um assunto, tudo bem. Em grupo não funciona, pois um pode atrapalhar o outro, afirma o professor Alberto.

Para o professor Caio, os únicos pontos positivos em se estudar em grupo são o fato de um animar e cobrar o outro e a troca de informações, um pode saber mais de física, outro de história.

Fora isso, ele também é a favor do estudo solitário, no máximo, em duplas. Em três já dá muita conversa fiada. E tem mais, se a dupla no caso for um homem e uma mulher, geralmente vira namoro e, com isso, a finalidade é deturpada. Precisariam ser muito compenetrados de suas responsabilidades. Outro ponto negativo, talvez o maior deles: a matéria tem que ser entendida de modo individual e não pelo grupo. A prova será feita individualmente, não pelo grupo. Quando se estuda em grupo, ao se resolver uma questão de matemática, não adianta apenas um deles conseguir. E, geralmente, é o que acontece. Um fica com a solução e o outro fica com a dúvida.

O professor Ari Herculano, diretor da rede pré-vestibular Dom Bosco, no Paraná, também ressalta outros pontos negativos ao estudar em conjunto: a diferença de nível de conhecimento entre os membros do grupo pode comprometer a qualidade de estudo de quem já domina mais o assunto; e, como ocorre com frequência, o estudo 'descamba' para brincadeiras ou papos de piadas.


Por dentro da matéria

A dica do professor Ari para o aluno saber se está estudando a matéria certa é, além de  seguir as orientações dos professores, ter conhecimento dos vestibulares anteriores da instituição para a qual deseja fazer prova. Seguindo por esses dois caminhos ele terá um bom direcionamento para os seus estudos, afirma.

Outra ideia dada pelo professor Alberto aos alunos é adquirir apostilas de cursinhos. O estudante pode encontrar uma porção delas a preços bem em conta em vários sebos. Fora isso, participar de simulados também é um bom termômetro. 

Para aqueles que não possuem o dia inteiro para estudar, como pessoas que trabalham fora, o ideal é aproveitar cada segundo. Sábado e domingo passam a ser dias úteis. Se o camarada quiser dar uma volta no sábado à noite, depois de ter completado seu cronograma de estudos, tudo bem. Mas ele precisa saber que vai sair cedo, para voltar cedo e acordar mais cedo ainda no domingo para estudar, completa Alberto.

Estudar em casa funciona para poucos e raros alunos. É preciso muita perseverança. Essa é uma opção para aquele aluno que sempre se saiu muito bem no colégio durante todos os anos anteriores. São as exceções da sala de aula. É o aluno nota 10, finaliza o professor Caio.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.