Professores de Brasília decidem manter greve iniciada há 30 dias

Docentes pedem reajuste salarial e plano de carreira, mas secretaria diz que nenhum aumento é cogitado

Agência Brasil |

Os professores do Distrito Federal decidiram, em assembleia realizada na manhã desta terça-feira (10), continuar a greve iniciada no dia 12 de março . Os grevistas exigem reajuste salarial e reestruturação do plano de carreira, com equiparação a outros cargos de nível superior do governo do Distrito Federal. De acordo com a Polícia Militar, cerca de 7 mil educadores compareceram à manifestação, realizada em frente ao Palácio do Buriti, sede do governo.

Salário nos Estados:
Nove Estados ainda não pagam o piso dos professores para 2012

O presidente da Central Única dos Trabalhadores do Distrito Federal, José Eudes, afirmou que os profissionais somente encerrarão a greve quando tiverem as reivindicações atendidas. "Na verdade, os professores só vão sair desta greve quando conseguirem a vitória. A Lei de Responsabilidade Fiscal não tem a ver com a discussão dos professores, é uma assunto interno do governo. O GDF [governo do Distrito Federal] tem de se organizar", ressaltou. O piso dos docentes no Distrito Federal é o maior entre os Estados Brasiçeiros (R$ 2,3 mil para quem tem diploma de licenciatura).

Segundo informação divulgada pelo Sindicato dos Professores do Distrito Federal (Sinpro-DF) durante a assembleia, uma nova proposta para encerrar a paralisação dos servidores será apresentada pelo governo distrital na próxima sexta-feira (13). Segundo representantes do sindicato, a greve vai continuar até que o governo apresente uma proposta que atenda à pauta dos educadores.

Do outro lado, a Secretaria de Administração Pública (Seap) reafirmou que nenhum reajuste está sendo cogitado. O secretário Walmir Lacerda convocou uma reunião para esta semana com a intenção de abrir canal de diálogo com os grevistas. Ele pretende convencer os professores de que o governo não dispõe de recursos financeiros para conceder aumento salarial este ano. Uma comissão de negociação formada pelos professores ainda foi recebida pelo secretário de governo, Paulo Tadeu, no início da tarde.

    Leia tudo sobre: professoresgreveBrasília

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG