Professor diz que não houve interferência no concurso de Ginecologia da Uerj

Para presidente da comissão organizadora, certame que escolheu dois de seus orientandos, transcorreu sem problemas

Raphael Gomide, iG Rio de Janeiro |

Reprodução
Presidente da comissão organizadora, Marco Aurélio Pinho de Oliveira é orientador dos dois selecionados
O presidente da comissão organizadora do concurso para professor-adjunto de Ginecologia da Uerj , Marco Aurélio Pinho de Oliveira, afirmou ao iG que não teve “nenhuma interferência” na seleção dos dois classificados, Thiago Dantas e Alessandra Evangelista. Para ele, “ concurso transcorreu sem problemas”.

Leia também: Concurso para professor-adjunto de Ginecologia da Uerj sob suspeita

Thiago ainda não tem doutorado, exigência para o cargo, e Alessandra não concluiu nem o Mestrado. Ambos são orientados por Marco Aurélio e trabalham com ele no Hospital Universitário Pedro Ernesto, da Uerj, e são de sua equipe em cirurgias particulares.

De acordo com Marco Aurélio, cabe ao presidente da comissão apenas organizar o concurso. “Quem avalia é a banca. Não tenho nenhuma interferência. Só organizo, e a banca conduz. Acompanhei quase todo o concurso, e a participação da banca foi totalmente idônea”, disse.

Segundo o chefe do Departamento de Ginecologia da Uerj, “o concurso transcorreu sem problemas”. De acordo com ele, não cabe falar de favorecimento a Thiago e a Alessandra, seus orientandos e companheiros de equipe cirúrgica.

“Todos os candidatos participantes foram alunos meus, participaram de trabalhos comigo e atuaram na Uerj. Não teve diferenciação. Todos foram desta casa e não interfere”, afirmou.

Marco Aurélio disse que o edital vem pronto da Diretoria Jurídica da Uerj e a comissão organizadora não pode alterar detalhes, como a pontuação de títulos, por exemplo. “A questão formal não passa por mim, não temos ingerência sobre essa composição. Não sei detalhes. Minha parte é o conteúdo programático.”

O médico não quis comentar o fato de ter convidado seu pai, Hildoberto Oliveira, para presidir a banca, mesmo sendo ele professor aposentado.

Questionado sobre a representação do candidato não classificado Raphael Câmara Parente ao Ministério Público, Marco Aurélio disse que vai esperar ser comunicado oficialmente do procedimento. Em seguida, evitou responder mais perguntas e desligou o telefone.

O Ministério Público informou que a representação foi distribuída internamente, mas ainda não tem um promotor designado para o caso.

A Uerj não respondeu a consulta a respeito do concurso até a noite desta quarta-feira.

Contactado pela reportagem e informado sobre o conteúdo da matéria nesta quarta-feira (18), o primeiro colocado no concurso, Thiago Dantas, afirmou que preferiria não fazer comentários sobre o tema.

O iG não conseguiu contato com Alessandra Evangelista, segunda colocada no concurso.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG