Príncipe brasileiro faz palestra em São Paulo

Dom Beltrand Januario Maria José Pio Miguel Gabriel Rafael Gonzaga de Orleans e Bragança e Wittelsbach.

Carla Sasso Laki |

Acordo Ortográfico

Ao ouvir esse nome é fácil lembrar de um monarca e Dom Beltrand de Orleans e Bragança , como ele prefere ser chamado, é da Família Real sim! Um príncipe brasileiro. Nascido em 1941, Dom Beltrand é bisneto da Princesa Isabel e trineto de Dom Pedro II, ou seja, um legítimo herdeiro da realeza brasileira.

Em uma palestra realizada na última quarta-feira na Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra (Adesg) de São Paulo, o príncipe brasileiro falou sobre a chegada da Corte Portuguesa ao Brasil, Dom João VI e mostrou o lado da Família Real na história do País .

Segundo Dom Beltrand, apesar de Dom João VI sempre ser representado na história do Brasil como um rei comilão, preguiçoso, covarde e fujão, nunca se comemorou tanto uma data como a chegada da Corte no País. A imagem de Dom João VI está mudando. É reabilitação da pessoa Dom João VI, disse o príncipe.

Dom Beltrand falou também sobre a decisão da Corte em vir para o Brasil, no período em que Napoleão Bonaparte estava consolidando seu império na Europa. Muitos têm Dom João como um covarde por ter vindo para cá, mas ele planejou a vinda da Família Real . Ele ganhou tempo enquanto 'jogava' com a França e a Inglaterra e fez uma saída estratégica, explicou. De acordo com o príncipe, Napoleão dizia aos seus generais que Dom João foi o único rei que o enganou.

Durante sua palestra, o príncipe brasileiro explicou ainda como funcionava o governo no Brasil, como se deu a independência, a proclamação da República e falou sobre a nação. O povo brasileiro, que é um povo miscigenado, só somou as qualidades dos portugueses, negros e índios. Um povo pacífico e heroico.

Curiosidades

O Barão de Rio Branco , um dos maiores diplomatas do País, quando foi informado de que todos os títulos de nobreza haviam sido abolidos na República, passou a assinar apenas Barão e acabou não sendo contestado, pois as pessoas acreditavam que ele podia deixar o governo mais uma vez.

Para quem pensa que o Brasil nunca teve uma governante, Dom Beltrand explica que não foi bem assim. Além da princesa Isabel que assinou a Lei Áurea ao ser regente do País durante uma viagem de Dom Pedro II, Dona Leopoldina, esposa de Dom Pedro I, foi quem participou da assembleia que definiu a declaração da independência e foi ela quem assinou a ata da reunião. Dom Pedro, quando foi informado e bradou Independência ou Morte estava apenas acatando uma decisão já tomada por sua esposa, explica o príncipe.

Segundo o príncipe, o governo de Dom Pedro II foi o maior período de estabilidade no Brasil. Após a proclamação da República, a moeda brasileira sofreu uma inflação de 11%.

Veja um trecho da entrevista:

Veja também:

Leia mais sobre: Monarquia

    Leia tudo sobre: brasilfamília realhistóriamonarquiapríncipe

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG