Pobreza ainda é obstáculo para melhoria da educação na América Latina, diz relator da ONU

SÃO PAULO - No mundo todo há cerca de 100 milhões de crianças e quase 800 milhões de jovens e adultos fora do sistema educacional. A informação é do relator especial da Organização das Nações Unidas (ONU) pelo direito à educação, o costa-riquenho Vernor Muñoz Villalobos. Para ele, a adoção de medidas contra essa exclusão é o maior desafio a ser enfrentado pelas mais diversas sociedades.

Agência Brasil |

[O combate à] discriminação de grupos que têm sido, historicamente, excluídos da educação, continua sendo um desafio importante, declarou ele em entrevista na última quarta-feira à TV Brasil. Villalobos veio a São Paulo para participar do seminário Pela Não Discriminação na Educação, da Campanha Latino-Americana pelo Direito à Educação (Clade), realizado na sede da organização Ação Educativa.

Ele avalia que a situação de desigualdade econômica é mais crítica na América Latina, o que provoca carências nas oportunidades de ensino. No caso do Brasil, ele considera que o maior entrave a ser vencido é o de traçar metas de educação de forma dirigida às populações negra e indígena, reconhecendo que a questão é complexa por causa da diversidade cultural desses povos.

Na análise do relator da ONU, a adoção de cotas que permitem a reserva de vagas nas universidades brasileiras para afrodescendentes é uma excelente medida. É uma ação afirmativa no sentido de combater a exclusão e a discriminação histórica que os afrodescendentes sofrem.

Ele observa, no entanto, que as discriminações estão presentes no mundo todo e não se restringem a essas populações. "É um problema sentido pelas minorias étnicas, pelas mulheres, pelos menos capacitados, entre outros, aponta.

Villalobos afirma também que é fundamental o combate à pobreza para permitir o ingresso de um maior número de pessoas no sistema de ensino, que deve ser gratuito e oferecido para todos os níveis de ensino, inclusive o universitário. Se as famílias têm de escolher entre enviar os seus filhos para a escola ou comer, certamente, a opção é comer, pondera ele, complementando que esse é um desafio a ser enfrentado não apenas pelo Brasil, mas em todo o continente.

Dados do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) mostram que embora o Brasil tenha avançado nessa área nos últimos 15 anos, o País ainda registra 2,4% do universo de crianças em idade escolar ¿ de 7 a 14 anos ¿ fora da escola. Isso significa uma exclusão de 680 mil brasileiros.

Leia mais sobre: Educação

    Leia tudo sobre: educaçãoonu

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG