Petrobras investirá R$ 320 milhões em bolsas de estudos

Empresa financiará 5 mil estudantes brasileiros em cursos da área de petróleo e energia no exterior

EFE |

A Petrobras oferecerá nos próximos seis anos bolsas de estudos para 5 mil estudantes brasileiros se especializarem no exterior em áreas vinculadas à indústria de petróleo, gás natural, energia e biocombustíveis. O plano da Petrobras, no valor de R$ 320,9 milhões, foi aprovado pela Agência Nacional do Petróleo (ANP), informou nesta segunda-feira o próprio órgão regulador em comunicado.

Leia também: 36 mil jovens disputam primeiras bolsas do Ciências sem Fronteiras

O objetivo do projeto é atender parte da crescente demanda brasileira por mão de obra especializada em áreas estratégicas. A Petrobras prevê a futura contratação de milhares de empregados para iniciar a exploração do pré-sal. Segundo a ANP, o plano da Petrobras prevê a concessão entre 2012 e 2017 de 2.754 bolsas de estudos para estudantes de graduação e 1.901 para alunos de doutorado na modalidade sanduíche – em que o bolsista estuda no exterior por até 12 meses e retorna ao País para continuar o curso.

As outras 345 bolsas de estudos serão concedidas quem pretende realizar seus doutorados integralmente (quatro anos) no exterior. Além do financiamento do custo dos estudos, os beneficiados receberão as passagens de ida e volta, ajuda para se instalar no exterior e um seguro de saúde. O plano de bolsas de estudos da empresa petrolífera faz parte do Ciência Sem Fronteiras , programa lançado em dezembro passado pela presidenta Dilma Rousseff e que até 2014 beneficiará 101 mil alunos universitários. Dessas bolsas, 75 mil serão financiadas pelo governo e 26 mil pela iniciativa privada.

O governo já assinou acordos com diferentes países, entre eles Estados Unidos, França e Reino Unido, para que suas universidades ofereçam vagas aos estudantes brasileiros. A Petrobras vinha reivindicando perante a ANP a possibilidade de destinar a suas bolsas de estudos parte dos recursos que por lei tem que investir em pesquisa no Brasil. Uma cláusula das concessões petrolíferas no Brasil prevê que as empresas invistam até 1% de sua receita em projetos de pesquisa, desenvolvimento de inovações, ciência e tecnologia. A ANP aceitou os argumentos da empresa.

Na semana passada, a Petrobras já havia anunciado que oferecerá 11 mil vagas em cursos gratuitos de petróleo e gás em diferentes cidades do País para formar mão de obra especializada no setor que possa ser contratada em futuros concursos.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG