Pedido recolhimento de livros com conteúdo racista em Londrina

Material distribuído por prefeitura de cidade do Paraná tinha expressões e imagens preconceituosas e ofensivas

iG São Paulo |

O Ministério Público do Paraná (MP-PR) pediu nesta quarta-feira o recolhimento de livros da rede municipal de ensino de Londrina. Segundo a denúncia, feita pelo Fórum de Entidades Negras de Londrina (Fenel), 13.500 exemplares da coleção "Vivenciando a cultura afro-brasileira e indígena" - que foi comprada com objetivo de atender lei que torna obrigatório o ensino da história e cultura africana e indígena - são altamente preconceituosos.

Entre os exemplos do parecer da entidade, há uma imagem de um menino branco urinando em um negro. "A página 103 do livro para o 3º ano, apresenta um fato didático absolutamente lamentável: a imagem de um menino branco urinando em um menino negro. Esta imagem, por si só, invalida toda a Coleção pela sua brutalidade. Mostra, numa ilustração que ocupa quase toda a página, um menino branco urinando, de pé numa cama, sobre um menino negro inerte, protegido por um Cristo na cruz! Esta imagem tem como legenda “explicativa”: “A presença e a participação do negro em obras literárias esteve sempre associada a imagens de escravidão, tristeza, dor, sofrimento e humilhação. Observe a imagem abaixo."

Em outro trecho da mesma obra, um poema chamado "A Borboleta" mostra uma borboleta infeliz com sua cor, que pede a Deus e consegue mudar:

"De manhã bem cedo

uma borboleta

saiu do casulo

era parda e preta

foi beber no açude

viu-se dentro da água

e se achou tão feia

que morreu de mágoa.

Ela não sabia

- boba - que Deus

deu para cada bicho

a cor que escolheu

Um anjo a levou,

Deus ralhou com ela,

mas deu roupa nova

azul e amarela."

Também foram encontrados diversos erros gramaticais em avaliação de professores da Universidade Estadual de Londrina (UEL) e há acusação de que 85% do conteúdo foi extraído da internet.

O parecer da Fenel diz ainda que em todos os volumes "é possível verificar nas imagens a perspectiva do branqueamento (gradual) e da miscigenação (que tem como resultado o branqueamento) como solução para a cor negra." Há ainda ilustrações "esdrúxulas" de indígenas e da mulher africana e comparações de africanos a macacos.

    Leia tudo sobre: racismolondrina

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG