Pais que trabalham com tecnologia adotam escola à moda antiga nos EUA

"Se eu fizesse filmes para adultos, não gostaria que meus filhos assistissem até os 17 anos", diz funcionário do Google

The New York Times |

O diretor de tecnologia do eBay colocou seus filhos em uma escola de nove salas de aula em Los Altos. O mesmo foi feito por outros funcionários de gigantes do Vale do Silício, região no EUA que concentra boa parte das maiores empresas de tecnologia do mundo como Google, Apple, Yahoo e Hewlett-Packard.

Mas as ferramentas de ensino da escola são tudo menos high-tech: canetas e papel, agulhas de tricô e, de vez em quando, lama. Os alunos não usam computadores. Os computadores não são permitidos na sala de aula e a escola ainda franze a testa sobre o seu uso em casa.

The New York Times
Pais e escola mantêm crianças longe de tecnologia
Escolas de todo o mundo têm levado computadores para as salas de aula às pressas, e muitos políticos americanos dizem ser tolo não fazer isso. Mas opiniões contrárias podem ser encontradas no epicentro da economia tecnológica, onde alguns pais e educadores têm uma mensagem muito importante a passar: computadores e escolas não se misturam.

Esta é filosofia da Escola Waldorf da Península, que também existe em outras partes dos Estados Unidos e em outros países, Brasil incluído. As atividade preveem e aprendizagem através de tarefas criativas e mão na massa. Aqueles que apoiam essa abordagem dizem que os computadores inibem o pensamento criativo, o movimento, a interação humana e a atenção. O método não é longe, mas sua presença entre os mestres da indústria tecnológica ressalta o crescente debate sobre o papel dos computadores na educação.

"Eu fundamentalmente rejeito a noção de que você precisa de aparelhos de tecnologia na escola primária", disse Alan Eagle, 50, cuja filha, Andie, é uma das 196 crianças que estudam educação primária na Waldorf; seu filho William, 13, está no ensino médio nas proximidades. "A ideia de que um aplicativo em um iPad pode ensinar melhor os meus filhos a ler ou fazer contas é ridícula."

Eagle sabe um pouco sobre tecnologia. Ele se formou em ciência da computação pela Universidade Dartmouth e trabalha em comunicações executivas no Google, onde escreveu discursos para o presidente Eric E. Schmidt. Ele usa um iPad e um smartphone. Mas ele diz que sua filha, uma aluna da quinta série, “não sabe como usar o Google", e que seu filho está apenas aprendendo. (Começando na oitava série, a escola aprova o uso limitado de aparelhos tecnológicos.)

Três quartos dos alunos aqui têm pais que trabalham em alta tecnologia. Eagle, como outros pais, não vê contradição. A tecnologia, diz ele, tem o seu tempo e lugar: "Se eu trabalhasse na Miramax e fizesse filmes para adultos eu não gostaria que meus filhos assistissem até que tivessem 17 anos”.

Enquanto outras escolas na região se gabam de suas salas de aula cheias de computadores e equipamentos de ponta, a escola Waldorf abraça um olhar simples e retro – quadros com giz colorido, estantes com enciclopédias, mesas de madeira cheia de livros e lápis preto número 2.

Em uma terça-feira recente, Andie Eagle e sua turma da quinta série reforçavam suas habilidades em tricô, fazendo amostras de tecido. É uma atividade que a escola diz ajudar a desenvolver a solução de problemas, a padronização de competências, a matemática e a coordenação. O objetivo a longo prazo: fazer meias.

Siga o @igeducacao no Twitter

No final do corredor, uma professora perguntou a alunos da terceira série uma conta de multiplicação, pedindo-lhes para fingir que seus corpos eram relâmpagos. Ela perguntou quanto é quatro vezes cinco – e, em uníssono, eles gritaram "20" e apontaram seus dedos para o número no quadro negro. Uma sala cheia de calculadoras humanas.

Na segunda série, os alunos de pé em um círculo aprendiam habilidades de linguagem, repetindo versos ditados pela professora, ao mesmo tempo que brincavam de pega pega. É um exercício que visa sincronizar corpo e cérebro.A professor de Andie, Cathy Waheed, que é uma ex-engenheira de computação, tenta tornar o aprendizado irresistível e altamente tátil. No ano passado, ela ensinou frações pedindo às crianças que cortassem alimentos – maçãs, quesadillas, bolo – em quartos e metades.

"Durante três semanas, nós aprendemos frações comendo", disse ela. "Quando eu tinha partes suficientes de uma fração de bolo para alimentar a todos, você acha que eles prestavam atenção?"

Alguns especialistas em educação dizem que a pressão para equipar as salas de aula com computadores é injustificada porque nenhum estudo mostra claramente que isso leva a melhores resultados em exames ou outros ganhos mensuráveis.

E a aprendizagem através de frações de bolo e tricô é melhor? Os defensores da Waldorf dificultam a comparação, em parte porque como uma escola privada ela administra testes não padronizados no ensino fundamental. E eles seriam os primeiros a admitir que seus alunos podem não se sair tão bem nestes testes, porque, dizem, eles não são treinados para decorar uma matemática padronizada e um currículo de leitura.

Quando perguntado sobre a evidência da eficácia das suas escolas, a Associação da Escola Waldorf da América do Norte aponta o resultado de uma pesquisa realizada por um grupo de filiados que mostra que 94% dos estudantes que se formaram nas escolas Waldorf nos Estados Unidos entre 1994 e 2004 frequentaram a faculdade - mas lá, o processo não se baseia em um único teste como no Brasil.

É claro, esse número pode não ser surpreendente, dado que estes são alunos de famílias que valorizam a educação o suficiente para procurar uma escola privada seletiva e geralmente têm os meios para pagar por isso.

Com a ausência de evidências claras, o debate se resume à subjetividade, a escolha dos pais e uma diferença de opinião sobre um quesito: engajamento. Defensores de se equipar as escolas com tecnologia dizem que computadores podem prender a atenção dos alunos e, de fato, que os jovens que foram desmamados em dispositivos eletrônicos não vai funcionar sem eles.

Ann Flynn, diretora de tecnologia da educação para a Associação Nacional de Conselhos Escolares, que representa os conselhos escolares em todo o país, disse que os computadores são essenciais. "Se as escolas têm acesso a essas ferramentas e podem comprá-los, mas não estão usando essas ferramentas, elas estão enganando nossos filhos", disse Flynn.

    Leia tudo sobre: nytvale do silícioescolaeducação dos filhoswaldorf

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG