Presidente do conselho disse que negociação com universidade está "em 9, em uma escala de 1 a 10"

O Conselho de Enfermagem (Coren) de São Paulo informou a representantes do curso de obstetrícia da Universidade de São Paulo (USP) que as negociações para adequação da carreira à enfermagem estão adiantadas. “Estamos em 9, em uma escala de 1 a 10”, disse o presidente do órgão, Cláudio Porto, em uma reunião na sede da entidade para responder a dúvidas de alunos e professores.

A fusão do curso de obstetrícia com enfermagem, proposta no relatório que sugere o corte de 330 das 1.020 vagas da USP Leste , é motivo de protestos há uma semana. O documento fala da baixa demanda pela carreira no vestibular e da dificuldade em conseguir credenciamento em um órgão profissional – apenas alguns formados conseguiram certificação por meio de decisões judiciais.

Na próxima semana, a Comissão de Graduação da unidade vota se suspende ou não o curso do vestibular 2012. “Vamos avaliar as mudanças propostas pelo relatório em geral, mas temos pressa de decidir o caso de obstetrícia, que é mais urgente”, disse a presidente da Comissão de Graduação da unidade, Mônica Sanches Yassuda, explicando que todos os cursos têm representantes no conselho que contam também com dois alunos.

A USP já apresentou ao Coren duas propostas de adequação do curso de obstetrícia para que os formados pudessem ser credenciados pelo órgão. Ambas foram negadas por tratar apenas da saúde da mulher. “Estamos quase nos acertando, falta apenas a USP apresentar uma proposta de adequação do curso que inclua o cuidado do ser humano, do adolescente, da criança e do idoso. Falta 25% ou 30% da formação de enfermeiro para quem fez obstetrícia”, disse Porto.

Neste caso, alunos e profissionais já formados fariam um ano a mais de aulas e seriam enfermeiros com ênfase em obstetrícia. “É impossível ser obstetriz e ter uma carteirinha de enfermeiro o que vocês podem é decidir que serão obstetrizes e não terão certificação ou brigar na justiça, mas vamos recorrer até a última instância”, disse o assessor legislativo do Conselho Federal de Enfermagem (Cofen), Luiz Gustavo Muglia.

Diretor diz apoiará decisão de alunas
Na sexta-feira passada, o diretor da USP Leste, Jorge Boueri, se reuniu com alunos formados e aconselhou que fossem à reunião com o Coren. “Ele disse para esquecermos o relatório por enquanto e que apoiaria o que decidíssemos depois de ouvir o conselho”, afirmou Natalie Leister, vice-presidente da Associação de Obstetrizes.

Agora, alunos e professores farão novas reuniões para decidir se desistem da carreira com graduação para conseguir apoio do órgão que garantiria maior empregabilidade.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.