O impacto do TDAH na sala de aula

Para uma criança com Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH), não existe nada pior do que a escola.

Dr. Paulo A. Junqueira * |

A desatenção e a falta de autocontrole se intensificam quando o aluno está em grupo, na sala de aula, dificultando a percepção seletiva de estímulos relevantes, a organização e a execução adequada das tarefas.

Dificuldades de ajustamento diante das demandas escolares ocorrem tanto na área da aprendizagem quanto na área social. A escola exige não só que a criança fique parada, mas também que ela se concentre em tarefas monótonas, repetitivas, invariavelmente não motivadoras.

O TDAH é o problema de saúde de maior ocorrência em crianças em idade escolar. No Brasil, existem de uma a duas crianças com o problema em cada classe, sendo que o custo educacional para cada um desses alunos é de três a seis vezes maior do que para os demais.

Além disso, o risco de fracasso escolar é de duas a três vezes mais freqüente do que em alunos sem dificuldades escolares, mas com inteligência equivalente. E entre 20% e 30% das crianças com TDAH apresentam dificuldades específicas, que interferem na sua capacidade de aprender.

Atraso nos estudos

A junção desses dados faz com que um terço ou mais das crianças com TDAH fique para trás na escola, no mínimo uma série durante a sua vida escolar; 35% não completam o ensino médio; as notas são significativamente mais baixas do que as de seus colegas de classe; 40 a 50% dessas crianças recebem algum tipo de serviço educacional (aulas de reforço, de recuperação, de apoio); e 10% podem passar todo o seu dia escolar envolvidos nesses serviços.

Isso sem falar dos problemas comportamentais em classe. Mais da metade das crianças com TDAH apresenta comportamento opositivo-desafiador, 15% a 25% delas são suspensas e até expulsas da escola, devido a problemas de conduta.

Bagunça em classe

Por causa de sua dificuldade com regras e com autocontrole, a criança com TDAH sobressai entre as demais e todas as outras crianças são conscientes de quem ela é e de quantos problemas causa.  Seu comportamento é imprevisível e não corresponde às intervenções normais do professor.

Quem convive com alguma criança ou adolescente com TDAH sabe que a agitação, a impulsividade e a desatenção características do distúrbio transformam o portador num especialista em desobedecer às regras.  Entretanto, as dificuldades encontradas pelos educadores em sala de aula não devem ser atribuídas à tradicional "falta de limites" ou à desobediência.

Resultados recentes de pesquisas mostram que as dificuldades enfrentadas pelas crianças são conseqüências das limitações impostas pelo TDAH, e não de lapsos educacionais de pais ausentes ou de má-criação.

Desafio para os professores

O TDAH tem se mostrado um grande desafio para o sistema educacional.  Os professores estão sobrecarregados e geralmente não conseguem lidar com o assunto. 

Diante de uma turma que não raramente chega a 30 alunos é difícil para o professor conseguir dar atenção individualizada e acompanhar de perto as dificuldades da criança.

Ainda mais com a atual política de progressão continuada (em que o aluno passa de ano automaticamente), devido à qual muitos estudantes somente descobrem que têm o problema quando chegam ao ensino médio.

O processo de identificação dos sinais do transtorno envolve sempre a pesquisa de sintomas na escola. Assim, procura-se orientar o professor para o reconhecimento do TDAH.

Como identificar os sinais

O TDAH possui duas dimensões de sintomas: a desatenção e a hiperatividade/impulsividade .

A desatenção é caracterizada pela baixa persistência às prioridades, dificuldade em "resistir" a distrações e falhas no reengajamento em tarefas após interrupção. Na escola, é comum ocorrer esquecimentos de entrega de trabalhos escolares, desorganização e desgaste na realização da lição de casa.

Nas meninas, a situação mais comum é a daquela aluna comportada, quieta, que não participa das aulas (mas também não incomoda) e que está sempre distraída.

O TDAH em meninas costuma ser subdiagnosticado porque elas exibem poucos sintomas de agressividade e impulsividade. Corresponde em torno de 10% a 25% dos casos e cursa geralmente com altas taxas de comorbidades, ou seja, é freqüente a coexistência com outros transtornos, principalmente com o transtorno do humor e da ansiedade. A idade do diagnóstico tende a ser mais avançada em relação aos meninos.

A hiperatividade/impulsividade é caracterizada pela dificuldade de inibição motora, problemas para "sustentar" comportamentos inibitórios, atividades motoras e verbais excessivas e irrelevantes.  A criança tem dificuldades em inibir os sistemas motores cerebrais. Na prática, ela não pára quieta nem por um instante, movimenta-se o tempo todo, não dá a mínima para o que está sendo ensinado, é impaciente e desassossegada.

Não é limitação

O TDAH em si não pressupõe obstáculos ao aprendizado, embora, freqüentemente, seja caracterizado como tal. Ao contrário, é um distúrbio de realização. As crianças com TDAH são capazes de aprender, mas têm dificuldades de se sair bem na escola devido ao impacto que os sintomas têm sobre uma boa atuação.

Entretanto, o seu desempenho escolar é inexplicavelmente irregular, pois não leva em conta sua dificuldade de ouvir, seguir instruções, prestar atenção e persistir até o final das tarefas.

Avaliação médica

Uma avaliação médica abrangente é essencial para investigar as crianças com comportamentos sugestivos de TDAH. Essa avaliação consiste em confirmar o diagnóstico ou identificar outros distúrbios que o simulam. Para que isto ocorra, é fundamental uma boa comunicação entre as escolas e os serviços relativos à saúde.

O diagnóstico do TDAH é clínico, realizado com base no conjunto de evidências coletadas pelo médico na entrevista com o paciente, na observação, exame físico, relatórios e escalas de classificação do comportamento. A ênfase não pode ser somente nos sintomas. É necessário levar em conta o impacto e o comprometimento nas atividades de vida diária da criança.

Estudos atuais têm demonstrado que os subtipos do TDAH podem oscilar ou até mesmo alterar-se ao longo do tempo.  A tendência é classificar o TDAH em casos com sintomatologia mais intensa e casos com sintomatologia menos intensa.

As formas subsindrômicas do TDAH, ou seja, as formas leves que não preenchem a rigor os critérios diagnósticos, podem ser manejadas, na maioria das vezes, sem a necessidade de medicamentos.

É evidente que as dificuldades de se lidar adequadamente com a questão do TDAH somente poderão ser atenuadas através de um programa de psicoeducação continuada com a participação efetiva de todos os envolvidos com o problema.

Infelizmente, mesmo com todos os avanços agora disponíveis sobre o TDAH, ainda há uma série de equívocos e informações imprecisas impedindo que a maioria das crianças atinja seu potencial e alcance uma qualidade de vida melhor. Nosso dever, como pais e profissionais, é compreender essas crianças e encontrar formas para ajudá-las a ser bem-sucedidas.


* Dr. Paulo A. Junqueira é mestre em Neurologia pela UNICAMP.

    Leia tudo sobre: alunoalunosbagunçaprofessorprofessorestdah

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG