O conserto

Dois instrumentos do Hubble precisam de reparos: a câmera ACS (Advanced Camera for Surveys) e o espectógrafo STIS (Space Telescope Imaging Spectrograph). A ACS, que parou de funcionar parcialmente em 2007 devido a um curto-circuito, é a câmera responsável por algumas das imagens mais espetaculares do telescópio.

Redação |

O espectrógrafo STIS, que detecta luzes ultravioleta, visível e infravermelha próxima, é conhecido por sua habilidade de procurar buracos negros. Enquanto o COS trabalha melhor com pequenas fontes de luz, como estrelas e quasares, o STIS pode mapear objetos maiores, como as galáxias. O STIS sofreu uma queda de energia em 2004 e foi colocado em hibernação para preservar a possibilidade de ser consertado.

Os astronautas estão planejando consertar os dois instrumentos ¿ perspectiva desafiadora, pois tais reparos estão além das possibilidades do projeto de manutenção do Hubble. Os criadores do telescópio previam que astronautas teriam de trocar componentes, mas a realização de cirurgias delicadas durante caminhadas espaciais não faziam parte das previsões.

Uma caixa eletrônica interna que fornece energia aos detectores do ACS contem equipamentos que foram afetados pelo curto circuito. Entretanto, sua localização a torna inacessível aos astronautas. Por isso, ao invés de tentar alcançar a área do problema, os astronautas irão tentar desviar de tais componentes para alcançar os objetivos desejados.

O fonte de energia defeituosa está conectada por cabos a uma série de placas eletrônicas, que estão dentro do alcance, mas não têm energia devido à caixa danificada. Os astronautas irão instalar uma nova fonte de energia em um corrimão no exterior do ACS, remover as placas eletrônicas e instalar outras que são compatíveis com a nova fonte de energia, conectando-as à nova fonte através de cabos externos. O arranjo simplesmente elimina a caixa danificada da equação.

O STIS precisa de uma nova placa de fonte de energia. O conserto seria relativamente fácil não fosse pelo painel de acesso eletrônico, que foi projetado para nunca ser aberto e está preso ao STIS por 111 pequenos parafusos, que são difíceis de serem manuseados por astronautas usando luvas, podendo criar um problema caso escapem e saiam flutuando por entre os componentes eletrônicos. Por isso, engenheiros desenvolveram uma chapa que se encaixa sobre o painel. Quando os astronautas removerem os parafusos, eles ficarão presos à chapa. Em seguida eles desativarão a placa de fonte energia e fecharam os componentes eletrônicos com um novo painel mais simples, fixado simplesmente com duas alavancas.

À medida que cada instrumento e componente do Hubble forem consertados e instalados, o setor Goddard irá realizar testes para garantir que tudo esteja funcionando corretamente. Uma vez que o trabalho estiver completo, o Hubble estará pronto para chegar a seu ponto máximo de desempenho com um total de cinco instrumentos: WFC3, COS, ACS, STIS e o NICMOS 9Near-Infrared Camera and Multi-Object Spectrograph).

Leia mais sobre: Hubble - Nasa

    Leia tudo sobre: hubblenasa

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG