Nova ortografia já está valendo; veja as mudanças

SÃO PAULO - Desde quinta-feira (1º) está valendo as novas regras do Acordo Ortográfico em todo o Brasil. O Portal iG já adota, desde 7 de setembro, as normas instituídas na reforma ortográfica nos textos produzidos por sua redação.

Carol Garcia e Anderson Dezan, do Último Segundo |

A antecipação foi uma forma de demonstrar o apoio do portal às novas regras e colaborar para que os brasileiros se ambientem com o novo estilo de escrever.

As novas regras entram em vigor no País a partir desta quinta-feira, mas a norma atual e a usada anteriormente poderão ser usadas e aceitas oficialmente até dezembro de 2012. A novidade chegará aos livros didáticos em 2010, quando todos deverão ser editados de acordo com a nova ortografia, com exceção de reposições e complementações de programas em curso.

    Em 1990, a reforma ortográfica foi aprovada por representantes de sete países que falam Português ¿ Brasil, Portugal, Angola, Moçambique, Cabo Verde, Guiné-Bissau e São Tomé e Príncipe. Em 2004, o Timor-Leste aderiu ao projeto dois anos após obter sua independência da Indonésia.

    Para entrar em vigor, o acordo precisava da ratificação de no mínimo três países, o que foi conseguido em 2006 com Brasil, Cabo Verde e São Tomé e Príncipe, enquanto o Parlamento de Portugal aprovou em maio deste ano.

    Em sessão solene na Academia Brasileira de Letras, no dia 29 de setembro, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva assinou os decretos que estabelecem um cronograma para a vigência do Acordo Ortográfico entre os países de Língua Portuguesa e orientam a sua adoção.

    O acordo tem, na verdade, uma importância maior do que pode parecer à primeira vista. E que, por isso mesmo, precisa ser divulgado e explicado com clareza ao cidadão comum deste País, para que todos compreendam sua pertinência e, sobretudo, seu significado estratégico no que diz respeito à cooperação entre os países lusófonos e à própria presença da língua portuguesa e das nossas literaturas no mundo, declarou o presidente.

    Segundo o governo brasileiro, o acordo ampliará a cooperação internacional entre os oito países ao estabelecer uma grafia oficial única do idioma. A medida também deve facilitar o processo de intercâmbio cultural e científico entre as nações e a divulgação mais abrangente da língua e da literatura. "Vamos incrementar, e muito, a circulação de obras literárias e artísticas, em geral, entre os nossos povos", afirmou Lula.

    Um novo mercado

    Defensores do Acordo afirmam que o mercado consumidor de leitores em todo o universo da lusofonia (países de língua portuguesa) irá crescer significativamente com a unificação. A unificação da língua ajudará a ampliar o número de leitores e a produção de livros. E, claro, permitirá a circulação e o intercâmbio de obras impressas destinadas ao trabalho pedagógico, diz o presidente da Comissão de Definição da Política de Ensino, Aprendizagem, Pesquisa e Promoção da Língua Portuguesa (Colip), ligada ao MEC, o linguista e escritor Godofredo de Oliveira Neto. 

    A presidente da Câmara Brasileira de Livros (CBL), Rosely Boschini, recebeu bem a decisão da implantação da nova ortografia e acredita em uma nova possibilidade de mercado. Para ela, a unificação da escrita vai fortalecer a política externa da língua portuguesa. Além disso, abrirá um novo mercado para as editoras brasileiras.

    O professor de linguística da Universidade de São Paulo (USP), Jorge Luis Fiorin, também acredita que o acordo irá trazer mudanças positivas para o País. O acordo é um passo importante para o Brasil, no sentido de estabelecer uma nova possibilidade de difusão do português no mundo. O País irá se transformar em um exportador de material literário.

    Veja as mudanças

    * No caso do acento agudo, ele não será mais usado em palavra terminada em `eia` e `oia`.

    Ex: ideia, jiboia 

    * O acento circunflexo também sofrerá alterações. Não será mais usado nas terceiras pessoas do plural do presente do indicativo ou do subjuntivo dos verbo ver, ler, dar e crer.

    Ex: veem, leem, deem, creem

    * Também não será mais utilizado em palavras terminadas com o hiato 'oo'.

    Ex: voo, enjoo

    * A trema (¨) deixará de existir, a não ser em nomes próprios.

    * No caso do hífen, ele não será mais usado quando o segundo elemento começar com `r` ou `s`. Essas letras deverão ser
    duplicadas.

    Ex: contrarregra

    * O hífen também não será mais utilizado caso o primeiro elemento termine com uma vogal diferente.

    Ex. autoestrada

    Leia também:

      Leia tudo sobre: acordo ortográfico

      Notícias Relacionadas


        Mais destaques

        Destaques da home iG