Nasa cria nariz robótico ultrassensível para detectar poluentes

Apesar dos narizes eletrônicos serem largamente empregados na indústria de alimentos e bebidas, eles ainda não foram empregados no espaço. Pensando nisso a agência espacial americana, Nasa, também resolver criar seu próprio nariz artificial com a finalidade de detectar elevadas concentrações de poluentes que possam ser letais aos astronautas.

Apolo11 |

O nariz robótico em desenvolvimento é muito similar ao sistema olfativo humano e apesar de menos sensível é capaz de detectar uma grande gama de cheiros. Mas as semelhanças param por aí.

"O cheiro inclui numerosas moléculas com tamanho e formato específico que são detectadas em nosso nariz por mais de 100 milhões de receptores", explicou James Covington da universidade de Warwick. "Esses receptores capturam as diferentes moléculas que chegam em tempos e velocidades diferentes e fornecem ao cérebro uma gigantesca gama de sinais que são interpretados como odores diferentes", disse Warwick.

No caso do nariz eletrônico, o papel dos receptores é desempenhado por uma minúscula matriz eletroquímica capaz de identificar padrões moleculares quando ligada ao um computador ou rede neural. Uma rede desse tipo pode ser definida como um conjunto de computadores que funciona de maneira semelhante ao cérebro de um pequeno animal.

Nova Tecnologia

Atualmente, os narizes artificiais abrigam uma pequena gama de sensores e são incapazes de detectar uma grande variedade de odores. No entanto, um polímero de apenas 10 micrômetros de espessura desenvolvido na universidade de Warwick promete aumentar muito a sensibilidade dos sensores.

De acordo com Covington, o novo sensor foi capaz de distinguir com grande habilidade os cheiros do leite e do creme, muito difíceis de serem detectados quando misturados. Além disso, apresentou sensibilidade excepcional aos poluentes ao detectar concentrações inferiores a 10 mil partes por milhão.

Novas Perspectivas

O dispositivo está sendo desenvolvido em conjunto com Laboratório de Propulsão a Jato da Nasa, JPL e pela Fundação Americana de Mapeamento Cerebral e em breve será instalado no interior da Estação Espacial Internacional. Além do objetivo prático de detecção de poluentes, o nariz robótico será usado para investigar as possibilidades de uso medicinal na detecção precoce de alguns tipos de cânceres.

No ramo da medicina o nariz eletrônico deverá ser usado para "cheirar" as células do organismo, permitindo diferenciar as células normais das cancerosas através do olfato. Segundo Babak Kateb, co-autor do trabalho e diretor da Fundação de Mapeamento Cerebral, o estudo abrirá novas possibilidades de pesquisa e auxiliará os neurocirurgiões na guerra contra o câncer.

Foto: Cientista James Covington, da universidade de Warwick apresenta o novo sensor capaz de detectar micro concentrações de poluentes. Crédito: Brain Mapping Foundation/Nasa Jet Propulsion Laboratory (JPL).

Leia mais sobre: Tecnologia

    Leia tudo sobre: apolo 11tecnologia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG