Procurador do MPF-CE argumenta que as pontuações da redação e das provas objetivas têm metodologias de cálculo diferentes

O Ministério Público Federal no Ceará (MPF-CE) apresentou nesta segunda-feira (02) um pedido à Justiça Federal para que a nota de redação dos participantes do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2011 seja desconsiderada no Sistema de Seleção Unificada (Sisu).

Leia mais: MP pede a divulgação dos critérios de pontuação do Enem

O promotor Oscar Costa Filho
AE
O promotor Oscar Costa Filho
O procurador da República Oscar Costa Filho argumenta que as pontuações da redação e das provas objetivas têm metodologias de cálculo diferentes, por isso não poderiam ser combinadas em uma mesma seleção.

De acordo com o edital, o cálculo das notas do Enem utiliza a Teoria da Resposta ao Item (TRI). As pontuações das provas objetivas são calculadas por desvio padrão. Isso significa que, nas áreas mais difíceis, onde se erra mais questões, cada item correto tem peso maior. Nas áreas mais fáceis, onde se erra menos, o peso é menor. A nota da redação, contudo, não envolve aspectos estatísticos, tendo valor absoluto, conforme argumenta o procurador.

O Sisu é uma ferramenta criada pelo Ministério da Educação (MEC) para unificar o processo de seleção de universidades públicas e permite ao estudante disputar vagas em diferentes instituições a partir da nota obtida no Enem.

Leia também: Liberada a consulta para as 108 mil vagas do Sisu

Oscar Filho questionou o Enem em âmbito nacional diversas vezes. Em 2010, ele pediu a anulação da prova após os erros de impressão nos cadernos amarelos e a inversão do cabeçalho nos gabaritos. Neste ano, pediu novamente a anulação do exame após a revelação de que o Colégio Christus, de Fortaleza, aplicou um simulado com questões idênticas as do Enem , uma semana antes da prova. Em nenhum dos dois casos Costa Filho obteve sucesso.

    Leia tudo sobre: enem
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.