MEC suspende vestibular de medicina em instituição mineira

Denúncias apontaram irregularidades no curso oferecido pela Universidade do Vale do Rio Verde em Belo Horizonte

iG Brasília |

A Universidade do Vale do Rio Verde (Unincor) terá de mudar as práticas utilizadas no curso de medicina oferecido no campus de Belo Horizonte, em Minas Gerais. Se a instituição quiser manter a oferta da graduação, terá de se adequar às exigências feitas pelo ministério. A partir de denúncias feitas por estudantes, o Ministério da Educação abriu um processo administrativo contra a universidade.

Entre as determinações do MEC, a primeira é suspender a entrada de novos alunos no curso e o início das aulas nas turmas já existentes. A medida vale até que a instituição corrija as deficiências apontadas pela Secretaria de Educação Superior. O despacho publicado no Diário Oficial da União desta quarta-feira afirma que a carga horária curso não está de acordo com as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Medicina. A fase de internato, quando os estudantes fazem estágios e estudam dentro de hospitais, que deve durar dois anos, não está sendo cumprida.

O processo de seleção de calouros terá de ser reformulado, adotando critérios objetivos e transparentes de seleção. A universidade deverá estabelecer parâmetros adequados para o atendimento ambulatorial nas quatro áreas clínicas em termos de número de pacientes-estudantes nas salas de atendimento e a estrutura local do serviço terá de ser reformada. O internato deverá ser acompanhado por docentes da faculdade atuando como orientadores, o que não vem ocorrendo. Por isso, a instituição deve reformular a política de capacitação e contratação de profissionais. O número de professores que trabalham por aula dada terá de ser reduzido.

Além disso, a instituição precisa criar o Núcleo Docente Estruturante, grupo de professores responsáveis por criar e zelar pelo cumprimento dos projetos pedagógicos dos cursos superiores do País. A Unincor também terá de definir mecanismos de diálogo e entendimento entre docentes e estudantes sobre avaliações, que contemple os conhecimentos, as habilidades e as atitudes de acordo com a complexidade do curso em diferentes fases da graduação.

A lista de irregularidades no curso se estendem também aos funcionários contratados para atuar nos laboratórios do curso e na quantidade e na qualidade do acervo bibliográfico oferecido aos estudantes. A Unincor terá de cumprir as medidas até 30 de novembro de 2011. Em dez dias, a instituição deve informar a adoção das medidas cautelares para permitir o funcionamento das atividades letivas.

    Leia tudo sobre: universidadeensino superiorirregularidadesmedicina

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG