Marte: rachaduras gigantes sugerem lagos antigos

Sem dúvida, as feições da geologia marciana mostram que o planeta é muito parecido com a Terra, com marcas que lembram diversas regiões do nosso planeta. Uma amostra dessa semelhança são as enormes rachaduras observadas nas bacias de impacto, que de acordo com os cientistas foram causadas pela evaporação da água de antigos lagos.

Apolo11 |

Clique para ampliar


Inicialmente, se imaginava que as rachaduras eram um subproduto da contração térmica do gelo permanente, mas uma análise mais detalhada mostrou que as feridas são muito grandes para essa explicação. De acordo com modelos computacionais, rachaduras causadas por contração térmica podem ter no máximo 65 metros de diâmetro, enquanto as observadas chegam a dezenas de quilômetros.

"Elas lembram muito os padrões de dessecamento que vemos nos lagos secos da Terra", disse Ramy El Maarry, ligado ao Departamento de Pesquisa do Sistema Solar, do Instituto Max Planck, nos EUA. "Os padrões são os mesmos que você vê no seu quintal depois que a lama seca. Além disso, as tensões geradas quando os líquidos evaporam podem causar profundas rachaduras e polígonos, na mesma escala que vemos nestas crateras", explicou Maarry.

As rachaduras estudadas pelo pesquisador têm entre 70 e 140 quilômetros de diâmetro, com comprimento variando entre 1 e 10 metros.

Clique para ampliar


"O calor gerado quando um meteorito se choca contra a superfície marciana pode derreter o gelo preso abaixo da crosta e criar o que chamamos de sistema hidrotérmico. A água líquida pode preencher a cratera e formar um grande lago, coberto por uma espessa camada de gelo, que mesmo sob as condições climáticas atuais pode levar milhares de anos para desaparecerem, resultando nos padrões de dessecamento observados", afirmou Maarry.

As rachaduras estudadas foram identificadas através das imagens feitas pela câmera MOC a bordo da sonda europeia Mars Global Surveyor (MGS) e HiRISE, da sonda americana Mars Reconnaissance Orbiter (MRO), ambas operando na órbita do Planeta Vermelho.

O pensamento dominante entre os pesquisadores é de que Marte foi coberto por grandes quantidades de água entre 4.6 e 3.8 bilhões de anos atrás. Assim, a chuva e os rios podem ter levado a água até as grandes bacias de impacto, formando os lagos que existiram por milhares de anos antes de secarem. No entanto, as novas descobertas sugerem que as rachaduras no hemisfério norte do planeta se formaram bem mais recentemente.

Fotos: No topo, comparação entre crateras de dessecamento na Terra, à esquerda e em Marte, à direita. Acima, detalhe de uma das gigantescas rachaduras, provocadas pelo processo de dessecamento. Em seu interior pequenas rachaduras causadas devido à contração térmica. Créditos: Nasa/JPL/Caltech/Google.


Leia mais sobre: Marte

    Leia tudo sobre: astronomiamarte

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG