Lula diz que País precisa transformar os mortos que lutaram pela democracia em heróis

BRASÍLIA - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva defendeu nesta terça-feira, no Rio de Janeiro, que se transformem os mortos na luta pela democracia em heróis e não em vítimas, ¿como costumam ser lembrados¿. De acordo com o presidente, se não for feito assim, ¿esse martírio nunca vai acabar¿.

Redação com Agência Brasil |

O presidente afirmou que o Brasil se ressente da ausência de heróis. Ele disse que normalmente no País só é lembrado como herói Tiradentes, porque os mesmos que o mataram se apressaram em fazê-lo [herói], 30 anos depois".

O País não constrói a memória das coisas boas que acontecem na nossa vida. Não conseguimos avaliar se a morte foi apenas um sofrimento de quem morreu e de seus parentes ou se ela deve ser uma motivação para construir outros heróis montados naqueles que foram sacrificados, afirmou Lula.

O presidente disse que é preciso fazer esse debate com um pouco mais de força, sob pena de o País passar e a história não guardar aquelas lembranças que queremos que fiquem.

Imaginem se a Frente Sandinista ficasse o tempo todo lamentando os que foram mortos por Somosa, ou se Fidel Castro ficasse se lamentando pelos que Batista matou, disse.

O presidente participou da cerimônia no Parque do Flamengo, para o lançamento do Pacto da Juventude em que foi anunciada a reconstrução da sede da União Nacional dos Estudantes (UNE), incendiada pela ditadura militar em 1964.

Leia mais sobre: Lula - história

    Leia tudo sobre: histórialula

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG