Letra feia pode ser sinal de problemas

A escrita no caderno é quase ilegível ou as letras são rabiscadas com perfeição em uma linha reta mesmo em um caderno sem pautas? A escrita conta a personalidade de quem escreve. A letra bonita é característica de pessoas organizadas. Já a letra feia pode ser mais do que preguiça ou falta de treino no caderno de caligrafia. Uma disfunção no cérebro, chamada disgrafia, pode ser a causa para o problema ao gerar uma dificuldade motora na hora de escrever.

Érika Klingl, iG Brasília |

Mas não há motivo para pânico. A disgrafia apresenta-se em crianças com capacidade intelectual normal, sem transtornos neurológicos, sensoriais, motores ou afetivos que o justifiquem. Pode ser uma dificuldade emocional momentânea que a pessoa não quer demonstrar muito, aí escreve com letras muito pequenas ou muito grande, com muita força, observa a fonoaudióloga, psicomotricista e psicopedagoga Raquel Caruso.

Além da letra feia, estão entre os sintomas não conseguir escrever em linha reta (o famoso sobe ou desce o morro), mistura de letra cursiva com letra de forma em um mesmo texto e dificuldade para sequencializar o movimento da grafia. Em alguns casos, mais raros, a disgrafia está relacionada à dislexia, marcada pelo déficit de atenção e hiperatividade.

Letra bonita

Já o capricho na hora de escrever pode significar uma organização de pensamento e sinal de responsabilidade de quem escreve. De acordo com a professora Denize Elena Garcia, do Departamento de Lingüística, Português e Línguas Clássicas, pessoas organizadas escrevem melhor. A escrita é uma espécie de habilidade que se adquire com o passar dos anos, principalmente, na época da alfabetização, explica.

E tem mais: passada essa fase, quem não desenvolveu a habilidade, não mais o fará. Ou seja, não adianta comprar centenas de cadernos de caligrafia e passar dias treinando porque a letra não mais vai melhorar. É como elegância. Uma pessoa se torna elegante no jeito de andar, vestir... independentemente da classe social.

Denize afirma, no entanto, que não há problema. Tem gente muito inteligente e com letra horrorosa, afirma a professora. É só lembrar das letras dos médicos, são muito feias, na maioria das vezes, mas isso não quer dizer nada.

    Leia tudo sobre: alunocaligrafiadislexialetras

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG