Justiça de SP suspende decisão sobre piso salarial de professores

Liminar exigia da Secretaria de Educação mudança nas regras sobre jornada extra-aula

AE |

selo

A Justiça de São Paulo suspendeu ontem liminar que exigia da Secretaria Estadual de Educação alteração das regras relacionadas à jornada extra-aula dos professores. Assim, continua valendo resolução do governo e não a proposta do sindicato.

Entenda o caso: STF define que um terço da jornada dos docentes seja fora da aula
Regras: STF decide que piso do professor se refere a salário-base

A Lei Nacional do Piso exige que o docente tenha um terço da jornada dedicado a atividades fora da sala de aula. A Apeoesp, sindicato dos docentes, exigia que sete aulas fossem reduzidas na jornada de 40 horas semanais.

A proposta da secretaria reservou uma aula por semana para esse fim - em uma jornada de 40 horas, o professor dará 32 aulas. A medida ainda oficializou como tempo extraclasse os minutos que o professor tinha para cada aula dada, uma vez que a duração da hora de trabalho paga é de 60 minutos - 50 são para ministrar aula. Os minutos eram uma complementação para ser usada em atividades ligadas à docência.

Na decisão, o juiz Antonio Celso Cortez considerou "como razoável a consideração do tempo de 10 (ou 15) minutos como de atividade extraclasse".

    Leia tudo sobre: professorespiso salarialjornada extra-aula

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG