“Iracema”, o romance indianista de José de Alencar

Livro mistura elementos indígenas mitológicos com históricos em busca da formação de uma identidade nacional

Marina Morena Costa, iG São Paulo

  • Mudar o tamanho da letra:
  • A+
  • A-

A história da índia Iracema que se apaixona por um europeu, Martim Soares Moreno, personagem histórico real, mistura aspectos mitológicos da cultura indígena com a colonização do Brasil. Publicado em 1865, “Iracema”, do escritor cearense José de Alencar, é um romance escrito em prosa poética, o que dá a obra uma dimensão mítica, de lenda, mas sempre apoiada em um argumento histórico.

“Para alguns críticos o primeiro brasileiro aparece na figura de Moacir – filho da união da índia Iracema com o elemento colonizador, Martim. É a formação da identidade nacional simbolizada nesse encontro”, avalia Marcelo Almeida Peloggio, professor e Coordenador do Grupo de Estudos José de Alencar, na Universidade Federal do Ceará.

Autor de teses de mestrado e doutorado sobre o Alencar, Peloggio destaca a importância da compreensão da simbologia utilizada pelo autor. Mito e história se complementam na obra. “Iracema vai sendo esmaecida pelo fator histórico, que é a chegada dos portugueses e a ocupação da terra. É uma representação do que houve com a população indígena, que foi dizimada ou sofreu aculturação”, afirma o professor.

Durante a leitura, é importante que os estudantes estejam atentos a alguns pontos. Peloggio destaca a riqueza poética, a valorização da natureza, a celebração das características brasileiras, próprias do romantismo. “É importante perceber a cor local que Alencar imprime na obra ao valorizar os elementos. Pássaros, árvores, animais, a linguagem e o cenário do Ceará do século 17.”

Os estudantes também devem notar a harmonia que havia entre Iracema, sua tribo e sua terra, e como essa relação pacífica é quebrada a partir do momento em que o elemento histórico (a colonização portuguesa) avança e domina. “Quando Iracema se entrega a Martim, ela rompe os laços sagrados com a sua tribo e sai da esfera mítica para entrar na esfera da história. Alencar mostra a dura realidade do povo indígena e do combate civilizatório que se travou naquele momento.”

Identidade nacional

A heroína é idealizada, representante da natureza brasileira e símbolo da perfeição. Martim é o colonizador: desperta curiosidade e fascínio, traz o amor e a desgraça para Iracema (representa a destruição para as tribos indígenas). A narração em terceira pessoa, deixa, por vezes, entrever a primeira pessoa, um eu (narrador) saudoso de sua terra natal. “É uma obra que busca criar uma identidade nacional, um símbolo da nacionalidade brasileira que era uma necessidade da sociedade naquele tempo”, resume Peloggio.
 

Veja outras análises:

- “Auto da Barca do Inferno”, uma peça com quase 500 anos
- “Memórias de um Sargento de Milícias”, uma crônica do Rio
- “Dom Casmurro”, o enigma nunca desvendado de Machado de Assis
- “O Cortiço”, um retrato da vida urbana no fim do século 19
- “A Cidade e as Serras”, o romance póstumo de Eça de Queirós
- “Vidas Secas”, o sertão brasileiro na ótica de Graciliano Ramos
- “Capitães da Areia”, a narrativa pela ótica de meninos de rua
- “Antologia Poética”, as três fases de Vinicius de Moraes
 

    Notícias Relacionadas



    Ver de novo