ver novamente

Guia de profissões

Saiba tudo sobre 100 cursos e carreiras

Todas as profissões

Farmácia e Bioquímica

Profissões relacionadas ao curso: Bioquímico, farmacêutico .

1. Sobre o curso

Farmacêutico


O farmacêutico desenvolve medicamentos, cosméticos, alimentos e insumos farmacêuticos em indústrias. Controla sua produção e faz testes para avaliar suas reações nos seres humanos. Também realiza análises clínicas e toxicológicas em laboratórios para auxiliar no diagnóstico de doenças. Cuida ainda do controle e da distribuição de medicamentos em farmácias públicas e hospitalares.


Principais áreas de atuação


- Análises clínicas e toxicológicas
- Análises ambientais, para controle de contaminação
- Cosmetologia
- Farmacovigilância (análise e controle dos efeitos de medicamentos disponíveis para o consumidor)
- Vigilância sanitária
- Manipulação de medicamentos e vendas
- Farmácia clínica
- Farmácia industrial
- Consultoria Topo

2. Ensino

Número de faculdades 441 (Farmácia)
Melhores cursos Universidade Federal de Alfenas (MG), Universidade Federal do Paraná (Curitiba - PR), Universidade Federal de Minas Gerais (Belo Horizonte)
Vagas disponíveis por ano 49.855 (Farmácia)
Duração do curso 5 anos
Candidatos 103.197 (Farmácia)
Candidatos/vaga 2,06 (Farmácia)
Formandos por ano 16.091 (Farmácia)
Topo

3. Estágio

Estágio obrigatório?  


Sim

Quem recruta estagiários  


- Empresas farmacêuticas.
- Farmácias hospitalares e de manipulação.
- Indústrias farmacêuticas, de cosméticos, de alimentos, de materiais de uso hospitalar e de produtos para higiene pessoal.
- Laboratórios de análises clínicas, toxicológicas, de análises ambientais voltadas a água, ar e solo.

Melhor época do ano para procurar estágio  


O período que antecede as férias escolares.


Momento ideal para iniciar estágio    


A partir do quinto semestre letivo. No entanto, há oportunidades de estágios de treinamento e de iniciação científica já a partir do primeiro semestre do curso.

Atividades do estágio    


- Desenvolvimento de projetos de investigação orientados por um professor.
- Dispensação (fornecimento) de medicamentos.
- Controle da qualidade física, química e microbiológica de produtos e matérias-primas. Topo

4. Mercado

Profissionais no mercado    


Cerca de 140 mil.

Exigências para atuar na profissão  


- Ter diploma de graduação em Farmácia.
- Estar registrado no Conselho Regional de Farmácia.

Regulamentação  


Lei 3.820, de 11 de novembro de 1960.


Ganho inicial (média mensal)


R$ 1,8 mil


Ganho escalão intermediário (média mensal)


- R$ 4,4 mil

Ganho no auge (média mensal)  


- R$ 6 mil


Atividades do início de carreira


- Pesquisa clínica.
- Atividades de marketing.

Evolução da profissão  


Pode atuar como autônomo em estabelecimento próprio, como farmácias, laboratórios de análises clínicas. Em empresas, ao evoluir na carreira pode assumir cargos de gerência e direção.


Auge da carreira  


Cerca de dez anos.


Dicas     


- É importante buscar formação profissional em uma instituição de qualidade, que ofereça as oportunidades extracurriculares para ampliar conhecimentos e competências.
- O profissional deve estar atento às constantes transformações do mercado. As melhores oportunidades também exigem mais dos que pretendem disputá-las.
- Definir uma área de interesse dentro do amplo leque de possibilidades profissionais é fundamental para que o profissional tenha foco.

Uma história de sucesso

"Escolhi o curso porque sempre tive interesse em estudar as plantas e descobrir como eram feitos os medicamentos. Durante a graduação fiz estágio em companhias terceirizadas que realizam pesquisa clínica. Permaneci por dez meses como estagiária em uma delas e fui efetivada. Depois fui para a Pfizer, onde trabalho como monitora de pesquisa clínica". 

"O estágio é fundamental para o amadurecimento do estudante. É a chance de aprender tudo aquilo que não viu na faculdade, de ir além do mundo acadêmico. É o momento da transferência de conhecimento entre seus gestores e você. O domínio de inglês é fundamental para quem quer trabalhar com pesquisa clínica, não dá para atuar nessa área sem isso. Ler artigos, manter-se atualizado, fazer cursos sobre assuntos que não teve na faculdade e complementar o conhecimento são outros requisitos importantes. Grande parte das universidades oferece oportunidade para participar de programas de iniciação científica. É por meio deles que o estudante pode descobrir se quer ou não seguir a carreira acadêmica".

"Participar de congressos e eventos multidisciplinares ajuda a descobrir como outras áreas podem se ligar àquela em que atuamos e a ampliar o leque de opções de atuação".

Andressa Sanches, analista de pesquisa clínica da indústria farmacêutica Pfizer

Topo
Fontes: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep)/Ministério da Educação (MEC), dados de 2010; Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade), dados de 2010;

Conselho Regional de Educação Física (Cref);

Instituto Nacional de Tecnologia para Inovação Farmacêutica (INCT-IF);

Datafolha;

Catho Online

Especialistas entrevistados para compor o perfil da profissão:

Jose Salvador Lepera, professor assistente e doutor em Toxicologia e Análises Toxicológicas da Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Araraquara, da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp);

Elfriede Bacchi, professora titular da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade de São Paulo (USP)

Topo