ver novamente

Guia de profissões

Saiba tudo sobre 100 cursos e carreiras

Todas as profissões

Engenharia Têxtil

Profissões relacionadas ao curso: Engenheiro têxtil.

1. Sobre o curso

Engenheiro têxtil


O engenheiro têxtil pode trabalhar em diversos segmentos do setor, desenvolvendo e implantando processos de produção de fios, tecidos e vestuário. Ele estuda, projeta e seleciona materiais, equipamentos e tecnologias relacionadas às etapas mecânicas e químicas da indústria têxtil. Também realiza estudos de viabilidade técnico-econômica e executa e fiscaliza serviços técnicos.


Principais áreas de atuação    


- Projeto de plantas e equipamentos industriais
- Desenvolvimento de produto
- Gestão de processos industriais
- Vendas técnicas

Topo

2. Ensino

Número de faculdades 5
Melhores cursos Universidade Estadual de Maringá (Goioerê – PR), Centro Universitário da Fundação Educacional Inaciana Pe Sabóia de Medeiros (São Bernardo do Campo – SP), Faculdade Senai-Cetiqt (Rio de Janeiro – RJ)
Vagas disponíveis por ano 316
Duração do curso 5 anos
Candidatos 589
Candidatos/vaga 1,86
Formandos por ano 61
Topo

3. Estágio

Estágio obrigatório?    


Sim

Quem recruta estagiários    


Empresas e indústrias do setor, nas áreas de:
- Produção.
- Controle de qualidade e processo.
- Desenvolvimento de produtos e processos.
- Projetos industriais.
- Logística.
- Compras, vendas e assistência técnica.

Melhor época do ano para procurar estágio    


Início de cada semestre.


Momento ideal para iniciar estágio 

   
A partir do terceiro  semestre da graduação, para que o aluno tenha uma base mais tecnológica.

Atividades do estágio 

   
As atividades podem ser desenvolvidas nos segmentos de fabricação de fibras, fiação, texturização, tecelagem, não tecidos, malharia, beneficiamento físico-químico têxtil e confecção.

Topo

4. Mercado

Profissionais no mercado  

 
377


Exigências para atuar na profissão    


- Ter diploma de graduação em Engenharia Têxtil.
- Estar registrado no Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (Crea).

Regulamentação  

 
Lei nº 5.194, de 24 de dezembro de 1966, e Resolução nº 308, de 21 de março de 1986.

Ganho inicial (média mensal)  

 
R$ 4,5 mil


Ganho escalão intermediário (média mensal)

    
R$ 7 mil


Ganho no auge (média mensal)  

 
R$ 10 mil

Atividades do início de carreira    


O profissional desenvolve atividades em todos os elos da cadeia têxtil ligadas ao beneficiamento e à produção das fibras têxteis e outras matérias-primas correlatas, passando pelas diversas fases de transformação físicas e químicas, até comercialização, marketing e assistência técnica de produtos têxteis, máquinas e químicos destinados a esta indústria. Pode estar envolvido com projeto, implantação, operação, melhorias e manutenção dos recursos produtivos, de bens e de serviços ligados à área têxtil.


Evolução da profissão    


Com a experiência, o profissional começa a ser responsável por coordenar projetos e as diferentes áreas relacionadas à produção têxtil, liderando equipes de trabalho. Pode também assumir cargos de direção e atuar como consultor.

Auge da carreira 

   
Cerca de dez anos.

Dicas   

 
- É importante manter uma postura profissional a partir do estágio, investir na formação extracurricular, como idiomas e informática, para não perder oportunidades.
- Para ascender na profissão, o profissional deve ter capacidade de dimensionar e integrar recursos físicos, humanos e financeiros; usar ferramentas matemáticas e estatísticas; selecionar tecnologias, projetar, implementar e desenvolver produtos, processos e metodologias de trabalho; analisar demandas e tendências têxteis; assimilar conceitos e conhecer técnicas de qualidade dos processos e do produto; gerenciar e otimizar o fluxo de informações.
- O mercado de trabalho busca ética, empreendedorismo, espírito investigativo e senso crítico, criatividade, adaptabilidade, trabalho em grupo e educação continuada.

Topo
Fontes: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep)/Ministério da Educação (MEC), dados de 2010; Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade), dados de 2008;

Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (Confea).

Especialistas entrevistados para compor o perfil da profissão:

Camilla Borelli, professora e coordenadora do curso de Engenharia Têxtil do Centro Universitário da FEI.
Topo