SÃO PAULO - Professores da rede estadual de São Paulo que tenham participado da greve de 30 dias, promovida entre 8 de março e 8 de abril, terão o desconto dos dias parados divididos em duas vezes. A decisão foi anunciada nesta sexta-feira pela Secretaria de Educação e foi tomada após a reunião que o secretário Paulo Renato Souza teve com os representantes dos sindicatos da classe na última terça-feira.

Segundo a secretaria, a divisão do desconto foi uma reivindicação manifestada pelo Sindicato dos Professores do Estado de São Paulo (Apeoesp). Os professores terão ainda que repor as aulas dos dias parados, mas cada escola vai decidir o calendário da reposição.

O governo descontará até 13 dias na folha de pagamento de maio. Em junho, serão descontados os 14 dias de greve restantes de março, além dos oito dias de paralisação de abril.

O número de professores que aderiram à paralisação foi variável durante o período de greve e, segundo a secretaria, poucos teriam ficado paralisados durante todo ele.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.