Governo de Minas diz que vai contratar substitutos para grevistas

Intenção é contratar 3 mil professores para repor faltosos do 3º ano do ensino médio

Denise Motta, iG Minas Gerais |

Faltando pouco mais de dois meses para as provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) , o governo de Minas Gerais anunciou na tarde desta terça-feira (09) a contratação de três mil professores para substituir os profissionais do 3º ano do ensino médio da rede estadual em greve há dois meses. O governo também decidiu cortar o ponto dos grevistas desde a semana passada, mas a medida não intimidou os professores, que prometem manter a paralisação. De acordo com a Secretaria de Educação apenas 2% das escolas estão paradas, mas o sindicato dos professores diz que o número ultrapassa os 30%.

Divulgação
Manifestação dos grevistas na semana passada
Cerca de 800 professores bloquearam o trânsito na região centro-sul de Belo Horizonte, em mais uma manifestação pelo pagamento do piso de R$ 1.312 para uma jornada de 24 horas semanais. Há exatos dois meses os professores decidiram parar por tempo indeterminado, na tentativa de pressionar o governo a conceder reajuste salarial. No dia 9 de junho deste ano, o Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (Sindute-MG) reuniu milhares de professores e decidiu, em assembleia, pela greve.

A secretaria estadual alega que já paga o piso nacional vigente, de R$ 1.187 mais subsídios, para uma jornada de 40 horas semanais. Mas o sindicato rebate que o vencimento básico é de pouco mais de R$ 300. Para o sindicato, o governo mineiro contabiliza benefícios como o por tempo de serviço como vencimento, mas tais valores não são considerados para efeito de aposentadoria, por exemplo.

A secretária de Educação, Ana Lúcia Gazzola, anunciou a contratação dos professores como medida emergencial para “assegurar que os alunos do 3º ano do Ensino Médio da rede estadual não tenham o seu desempenho no Enem e em processos vestibulares comprometido pela falta de aulas provocada pela greve”.

Adiamento do Enem
A Federação das Associações de Pais e Alunos de Escolas Públicas de Minas Gerais (Fapaemg) promete acionar judicialmente o Ministério da Educação (MEC) para protelar a realização do Enem em Minas Gerais. A prova do Enem está marcada para 22 e 23 de outubro próximo e, segundo o presidente da Fapaemg, Mário de Assis, não há possibilidade de repor as aulas perdidas ao longo dos últimos dois meses. “Não me resta outra alternativa. Vou constituir advogado e provocar a Justiça. A princípio, queremos adiar o Enem, pois há um prejuízo incalculável. A Constituição é clara: todos são iguais perante a lei”, afirma Assis.

    Leia tudo sobre: greve de professoresminas gerais

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG