Alberto Goldman (PSDB) tomou posse nesta terça-feira como governador de São Paulo. Em cerimônia na Assembleia Legislativa, o sucessor de José Serra afirmou que, enquanto os professores da rede estadual de ensino do Estado estiverem em greve, não haverá negociação.

AE
Ao lado da mulher e da neta, Goldman chega para cerimônia
Ao lado da mulher e da neta, Goldman chega para cerimônia

Precisamos contar sempre com os servidores públicos de nosso Estado. São eles professores, policiais, trabalhadores da saúde e todos os demais, instrumentos do povo paulista para consecução de suas demandas. Compreendemos os anseios de melhoria salarial e de condições de trabalho. Estaremos sempre prontos a dialogar dentro do nível de respeito necessário entre nós, dirigentes eleitos pelo povo, e os servidores. Nunca com aqueles que ameaçam usar de violência, nem vamos conciliar com os que transformam reivindicações em instrumento político com finalidade eleitoral.

A greve dos professores completa um mês nesta quinta-feira. No dia 26 de março, o secretário-adjunto de Educação, Guilherme Bueno, reuniu-se com uma comissão de grevistas liderados pela Apeoesp, sindicato que representa os professores, e pediu que a greve fosse encerrada para iniciar uma negociação. A presidente da Apeoesp, Maria Izabel Noronha, afirmou ao iG que a paralisação seria mantida.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.