Funcionários da Unicamp entram em greve

Proposta de reajuste salarial dos reitores da USP, Unicamp e Unesp não agrada servidores técnico-administrativos

Marina Morena Costa, iG São Paulo |

Os funcionários da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) entraram em greve nesta quarta-feira após a realização de uma assembleia. Na última terça-feira, o Conselho dos Reitores das Universidades Estaduais Paulistas (Cruesp) se reuniu com o Fórum das Seis (formado por sindicatos de professores e funcionários da USP, Unicamp e Unesp) e concedeu reajuste salarial de 6,57% para docentes e servidores técnico-administrativos.

A medida não agradou aos funcionários que reivindicam aumento de 16% e o cumprimento da incorporação de R$ 200 ao salário-base – também não atendida pelo Cruesp. Os funcionários da USP estão em greve desde o dia 5 de maio e agora esperam a decisão da categoria na Unesp.

O Sindicato dos Trabalhadores da USP (Sintusp) recebeu com naturalidade a adesão dos funcionários da Unicamp à greve. “Depois da negociação que ofereceram, era natural que a Unicamp aderisse. Isso fortalece nosso movimento e coloca a greve em outro patamar”, afirma Magno de Carvalho, diretor de base do sindicato.

Os sindicatos preparam uma manifestação na Rua Itapeva, sede do Cruesp, na próxima terça-feira (18), quando acontecerá uma nova rodada de negociação.

    Leia tudo sobre: Greve de funcionáriosUSPUnicampUnesp

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG