Fazer a barba

Nossa língua possui construções que não fazem sentido se levadas ao pé da letra. Por exemplo: uma pessoa toca a campainha, e o dono da casa grita: ¿Já vai!¿. Alguém aí sabe me dizer qual é o sujeito desse verbo? Quem é que vai? ¿Já vou¿ faz sentido, mas ¿já vai¿?!

Reinaldo Pimenta |

Outro exemplo é a expressão antes de mais nada no início de uma exposição. Antes de tudo, antes de qualquer coisa são expressões lógicas. Equivalem a um musculoso inicialmente. Agora, examine detidamente esta sequência de palavras: antes de mais nada. Que é isso?

FAZER A BARBA , hoje, não tem lógica. Não fazemos a barba, ela cresce sozinha, sem a nossa intervenção. Na verdade desfazemos a barba, que se fez no rosto por força da natureza. No entanto, FAZER A BARBA já teve sentido. Foi no tempo em que era moda usar barba. Aparava-se aqui, aparava-se ali para que ela ficasse bem feita. Aí, sim, fazia-se a barba.

Talvez, a partir de FAZER A BARBA , as mulheres tenham passado a fazer o cabelo e a fazer as unhas. As mulheres têm muito mais a fazer do que os homens.

Leia mais sobre: A Casa da Mãe Joana

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG