Primeiras impressões apontam que questões de exatas estavam mais difíceis do que as de humanas

Mais de 122 mil candidatos prestaram a primeira fase do vestibular da Fuvest neste domingo. Outros 10,3 mil inscritos faltaram. As primeiras impressões dos estudantes que deixam as salas de prova foram de que a parte de humanas estava mais fácil do que a de exatas. A prova terminou às 18h, e a partir das 19h começa a correção das questões no iG .

Estavam inscritos 132.993 candidatos na disputa por 10.752 vagas (10.652 na USP e 100 na Santa Casa). A Fuvest registou um índice de abstenção de 7,79%, superior aos 5,95% atingidos no ano passado.

Gabriel Gentiline, de 17 anos, tenta uma vaga no curso de Letras e não sentiu muita dificuldade com as perguntas de humanas. Segundo o estudante, os livros pedidos na prova foram “A Cidade e as Serras”, de Eça de Queirós, “Capitães de Areia”, de Jorge Amado, “Memórias de um Sargento de Milícias”, de Manuel Antônio de Almeida, e “Dom Casmurro”, de Machado de Assis. A candidata para a Faculdade de Enfermagem, Priscilla dos Reis Coutinho ainda acrescentou dois títulos à lista de livros que caíram na prova: “Vidas Secas”, de Graciliano Ramos, e “Iracema”, de José de Alencar.

Exatas mais difícil até para quem quer a área

Aline Máximo achou que a Fuvest não é ¿nenhum bicho de sete cabeças¿
Flávio Torres
Aline Máximo achou que a Fuvest não é ¿nenhum bicho de sete cabeças¿
Aline Máximo, de 17 anos, afirma que a prova não foi difícil em geral, mas a parte de Matemática estava complicada. "Muitas questões com pegadinha”, reclama. Mariana Fonseca, de 18 anos, faz coro: “Todas as questões de matemática estavam difíceis. Chutei muito”.

O empresário Paolo Caon, de 50 anos, resolveu tentar uma vaga no curso de Ciências Sociais e conta que a prova de humanas estava fácil. “Qualquer pessoa que lesse jornal conseguiria resolver”, afirma.

Paula Vitória Pereira, 18 anos, presta vestibular para o mesmo curso e concorda que a parte de exatas estava mais complexa. “Achei as questões mais bem elaboradas do que as da Unicamp. Mas senti falta das redações na primeira fase, porque vou bem e elas fazem subir a minha nota”, destaca. (colaborou Lucien Adedo, especial para o iG )

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.