Escolas públicas participam de seminário sobre prática tecnológicas em Cuiabá

Iniciativa da Brasil Telecom em parceria com a Seduc reunirá educadores para discutir o aproveitamento das Tecnologias da Comunicação e Informação no ambiente escolar.

Redação |

Acordo Ortográfico

Monitor, mouse, teclado, impressora... Aos poucos os componentes de informática estão se juntando aos tradicionais integrantes do ambiente escolar. O novo conceito de aula, fazendo-se valer da velocidade da internet e de diversos recursos, como imagens e animações, requer do professor domínio dos recursos tecnológicos.

É justamente para fomentar o conhecimento e propiciar a troca de experiências das escolas da rede pública de ensino, pertencentes ao Projeto Educação Digital, é que a Brasil Telecom e a Secretaria de Estado de Educação (Seduc), por meio da Coordenadoria de Formação em Tecnologia Educacional, promoveram na capital o primeiro Seminário Estadual de Práticas Tecnológicas nas Oficinas Digitais. O evento foi realizado no dia 30 de outubro, na sede da operadora, em Cuiabá.

Com um público alvo formado por crianças e jovens, o projeto Educação Digital busca elevar a aprendizagem nas escolas. Mato Grosso já conta com cinco Oficinas Digitais da Brasil Telecom. Inauguradas em agosto, as oficinas estão presentes nas escolas Barão de Melgaço, Padre Firmo Pinto Duarte e Hermelinda de Figueiredo, de Cuiabá, Dom Bosco e Antônio Geraldo Gatiboni, de Várzea Grande. Outras duas oficinas devem ser inauguradas ainda em 2008. O investimento da BrT no Estado foi de aproximadamente R$ 1, 5 milhão ¿ cada laboratório custou cerca de R$ 300 mil.

No seminário as escolas integrantes do projeto apresentaram o planejamento das aulas nas oficinas digitais, com detalhamento da prática desenvolvida. O portal iG, empresa que apoia o Educação Digital, mostrou as Ferramentas de Comunidade nas práticas pedagógicas e os Fóruns Temáticos. Já a assessoria pedagógica explicou os objetivos e a dinâmica do encontro, além de apresentar uma análise e orientações para as atividades nas oficinas.

"Mais do que laboratórios de informática com computadores e acesso à internet, esperamos que essa ferramenta digital seja usada na melhoria da aprendizagem. Nós acreditamos que iniciativas como essa podem transformar realidades", disse o diretor da Brasil Telecom em Mato Grosso, Wagner Oliveira Gomes.

Os resultados já começaram a aparecer. Em Mato Grosso, de acordo com dados da Secretaria de Estado de Educação, cerca de 140 professores da rede estadual de ensino foram capacitados para ministrar aulas e participar do Projeto Educação Digital da Brasil Telecom. Os educadores, das cinco escolas contempladas com o programa, participaram do curso de fundamentos básicos de informática.

Destes profissionais, 119 professores já participaram também da segunda fase do curso. Entre os estudantes beneficiados, 25 (sendo 5 de cada escola) estão participando do programa Aluno Monitor nas oficinas digitais.

O seminário sobre práticas tecnológicas nas oficinas digitais contou com a presença de representantes da Brasil Telecom, da Secretaria de Educação do Mato Grosso, do MEC, da equipe do Projeto Educação Digital, além de diretores, coordenadores e professores das cinco escolas participantes do projeto no Estado.

Diferencial do projeto

O projeto Educação Digital foi concebido pela Brasil Telecom e pelo iG em parceria com Secretarias de Educação de estados e municípios e busca promover a capacitação de professores e alunos para que utilizem tecnologia de ponta de informática e telecomunicações em sala de aula, em escolas públicas das regiões Sul, Centro-Oeste e Norte do País.  Até o final de 2008 mais 17 Oficinas Digitais serão instaladas nos Estados do Rio Grande do Sul, Goiás, Tocantins, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, e no Distrito Federal.

As oficinas digitais foram instaladas em escolas públicas para as quais a Brasil Telecom fornece toda a infra-estrutura necessária, que vai desde a reforma das instalações físicas, da rede elétrica, até o mobiliário e a instalação de computadores com acesso à internet de 2 Megabytes por segundo, ligados diretamente ao Cyber Data Center da operadora. O iG, por sua vez, disponibiliza ao projeto conteúdos didáticos de apoio ao desenvolvimento do currículo do ensino fundamental e do ensino médio, além de temas voltados para os professores.

Em parceria com a Intel, a Brasil Telecom está capacitando os professores das escolas beneficiadas por meio de programas como o Intel Fundamentos Básicos e Intel Educar, para que eles possam utilizar a tecnologia como uma ferramenta didática capaz de melhorar a metodologia de ensino, beneficiando a formação de milhares de estudantes no país. A capacitação dos professores é realizada em 81 horas de duração, com ênfase na prática da utilização dos instrumentos tecnológicos e dos conteúdos.  A capacitação dos alunos-monitores é feita em 4 horas presenciais e 136 horas online.  Outras técnicas também são utilizadas por meio do ensino a distância e de multiplicadores.

Um portal exclusivo desenvolvido pelo iG apoia o compartilhamento de experiências e a difusão para a rede de escolas de novas informações, ideias e das melhores práticas do projeto. Em paralelo, são realizadas campanhas de mobilização e envolvimento das comunidades, sobretudo dos pais e responsáveis pelos alunos.

Infra-estrutura

Cada Oficina Digital tem 22 computadores para uso dos alunos e dos professores e toda a infra-estrutura necessária ao seu funcionamento, como impressora/scanner a laser e máquina fotográfica digital. Cada monitor tem uma câmera e fone de ouvido que possibilitam o treinamento e o ensino à distância.

A conexão dos computadores a banda larga Turbo permite acesso rápido à internet, otimizando o processo educacional e o tempo das aulas. Também possibilita acesso às fontes de pesquisa mais relevantes e a sites educacionais indicados pelo MEC e outras entidades. O laboratório está interligado diretamente ao Cyber Data Center da Brasil Telecom, onde se concentram as funções críticas de processamento de informações.

Dessa forma, por exemplo, o filtro de conteúdos é unificado, seguindo orientação das Secretarias de Educação. De forma segura e com custos menores, o Data Center armazena os materiais produzidos por alunos e professores, e promove a atualização simultânea de todos os aplicativos (softwares), o que resulta em redução de custos para as escolas.

Essa rede inteligente propicia, ainda, a arquitetura necessária para a construção de um cadastro centralizado de todos os alunos envolvidos no programa ¿ o que facilita o acompanhamento do desempenho do aluno por professores e pais. Disponibiliza e-mail iG para cada estudante e professor, com capacidade individual de 2MG, e senha exclusiva que possibilita o acesso a todos os seus conteúdos de qualquer computador conectado à internet.

Cada Oficina Digital reúne as condições ambientais adequadas para melhorar a qualidade de ensino da escola. As salas foram pintadas e os pisos preparados para receber toda infra-estrutura elétrica e de transmissão de dados necessárias ao seu funcionamento, com no-break, switch de 32 portas, mobiliário moderno, ar condicionado e kit de grades para segurança de portas e janelas.

Também são disponibilizados à escola modernos softwares operacionais e de ensino: Windows Server ou Linux; Blue Lab ¿ de apoio ao professor; Publisher, Office, Encarta, Dicionários e Plataforma para ensino a distância. As escolas receberão, ainda, assistência técnica completa para máquinas e equipamentos e contam com um Help-Desk de primeiro e segundo níveis. A Brasil Telecom custeia integralmente todas as despesas do programa pelo período de 18 meses.

Veja também:

Leia mais sobre: Educação Digital

    Leia tudo sobre: educação digital

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG