Escolas de sucesso focam em aprendizagem

Estudo do BID aponta ainda que harmonia, criatividade e autonomia fazem parte do cotidiano dos alunos na sala de aula

Priscilla Borges, iG Brasília |

Escolas equipadas, limpas e bem cuidadas, professores bem formados e materiais didáticos em abundância são apenas parte do necessário para garantir o sucesso escolar dos alunos. Pesquisa realizada pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) a pedido do Ministério da Educação (MEC) mostra que critérios mais subjetivos determinam a qualidade de ensino.

O estudo foi realizado com 35 escolas de ensino médio de quatro Estados: Acre, Ceará, Paraná e São Paulo. O objetivo era identificar práticas de sucesso no País. As regiões avaliadas foram escolhidas de acordo com o desempenho obtido pelas redes estaduais no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb). Os pesquisadores visitaram as escolas com menores taxas de evasão e de repetência e com bom desempenho em avaliações nacionais e estaduais.

Segundo o BID, oito características são comuns a essas escolas: aprendizagem é o foco em todas elas, há boas expectativas de professores e diretores sobre o desempenho dos alunos, os docentes se sentem responsáveis pelo sucesso dos estudantes, o trabalho é feito em equipe, o tempo escolar é preservado e bem aproveitado, o clima é de harmonia, as normas de convivência são claras e aceitas por todos e autonomia e criatividade estão presentes no cotidiano das equipes.

Carlos Herrán, coordenador responsável pela pesquisa, afirma que a realidade dos colégios pesquisados está longe da maioria das escolas latino-americanas. “Infelizmente, sentir-se responsável pela aprendizagem e pela progressão dos alunos nos estudos não faz parte das equipes docentes na maioria da América Latina. Assim como as boas expectativas em relação aos estudantes também não”, lamenta.

Especialmente no ensino médio, Herrán acredita que o jovem deve ser convocado a participar da definição de normas e regras de convivência nas escolas. “Os adolescentes não são passivos. Eles devem ser incluídos no processo de aprendizagem. É uma das chaves para garantir o respeito e a superação de desafios nos colégios”, ressalta.

Integração

Os pesquisadores do BID afirmam que a troca de experiências entre as escolas das mesmas redes de ensino e a secretaria estadual precisa ser promovida. A organização das instituições deve permitir atividades de planejamento, coordenação e avaliação para favorecer esse trabalho coletivo.

Outro ponto considerado essencial pelos especialistas é a divulgação dos resultados de avaliações para professores. Muitas vezes, os docentes não compreendem o significado delas e, por isso, não incorporam as possíveis falhas no projeto pedagógico cotidiano.

Os resultados preliminares do estudo, realizado em 2009, foram divulgados em um seminário internacional promovido pelo BID e o MEC em Brasília nos últimos dois dias. O relatório completo será publicado no próximo mês.

    Leia tudo sobre: BIDMECescolasensino

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG