Escola nos EUA proíbe estudantes de se abraçarem

Diretor quer evitar "contatos físicos inadequados" entre alunos de 11 a 14 anos

EFE |

O diretor de uma escola na cidade de Cliffwood, em Nova Jersey, nos Estados Unidos, proibiu os mais de 900 alunos da unidade de se abraçarem, após detectar o que chamou de "contatos físicos inadequados" entre os estudantes, todos entre 11 e 14 anos.

Leia também: Escolas norte-americanas relaxam uso de uniforme

A Matawan-Aberdeen Middle School passa a ser um local "livre dos abraços", conforme afirmou o diretor da unidade, Tyler Blackmore. A decisão causou polêmica entre os pais dos alunos, mas recebeu apoio das autoridades educativas do estado.

"Temos a responsabilidade de ensinar as crianças a interagir apropriadamente e procurar que tenham um ambiente estruturado e centrado na educação", declarou o superintendente da escola, David Healy, através de comunicado. Healy reconheceu que não existe uma regra concreta relacionada com os abraços no ambiente escolar, mas assegurou que a decisão de proibi-los entre os alunos, sob risco de advertência, é necessária devido a incidentes já ocorridos, sem explicá-los.

Segundo o superintendente, cabe ao diretor tomar as decisões corretas para garantir a "segurança e o bem-estar" das crianças pelas quais é responsável. Contudo, ele prometeu que nenhum aluno será expulso em caso de descumprimento da nova regra. Já os pais das crianças acusam Blackmore de ter exagerado ao estipular a regra, principalmente por não ter consultado as associações de pais. Para eles, qualquer incidente que tenha acontecido na escola, gerando a criação da norma, está sendo superdimensionado.

    Leia tudo sobre: escolasestados unidosabraço

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG