TCU suspende pagamento do Enem anunciado 190% mais caro

Tribunal de Contas da União deu prazo de 10 dias para que Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais explique aumento

Agência Brasil |

O Tribunal de Contas da União (TCU) aprovou nesta quarta uma medida cautelar para suspender o pagamento do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) à Fundação Universidade de Brasília, ligada ao Centro de Seleção e de Promoção de Eventos da Universidade de Brasília (Cespe-UnB). O órgão havia sido contratado sem licitação para a realização do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

No último dia 10, o Inep publicou no Diário Oficial da União o extrato da dispensa de licitação no valor de R$ 372,4 milhões para fazer as edições do Enem nos próximos 12 meses. O valor é considerado um “teto estimado” e deve custear pelo menos duas edições da prova, a próxima, marcada para os dias 22 e 23 de outubro e a do primeiro semestre de 2012, prevista para os dias 28 e 29 de abril. O montante é 190% maior do que o do ano passado .

O TCU questiona o aumento de valores em relação ao contrato anterior, também firmado com o Cespe, de R$ 128,5 milhões. “Os valores quase triplicaram em comparação àqueles despendidos no exercício anterior, chegando à cifra de R$ 372 milhões, sem que fosse demonstrada a compatibilidade dos preços contratados com os de mercado”, disse o ministro José Jorge no despacho.

O TCU deu prazo de dez dias para que o Inep apresente informações que justifiquem o acréscimo no custo do exame. A suspensão dos repasses vale até que o tribunal se manifeste sobre a adequação dos valores envolvidos na contratação.

O Inep informou que não vai se pronunciar sobre a decisão do TCU.

    Leia tudo sobre: Enem 2011inepcespe

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG