Candidatos com deficiência auditiva necessitam de um intérprete da língua brasileira de sinais durante a prova

Brasília - O Ministério Público Federal (MPF) em Mato Grosso do Sul recomendou que os participantes do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) com deficiência auditiva tenham direito a um intérprete ou tradutor de Libras (língua brasileira de sinais) presente no momento da prova. Esse profissional precisa ter, obrigatoriamente, aprovação em exame de proficiência em libras e nível superior.

Durante a prova de redação, o intérprete é encarregado por traduzir os símbolos da Libras comunicados pelo candidato para o português. Segundo o MPF, “atualmente a tradução de Libras para o português é prejudicada porque os profissionais não têm a devida habilitação”. Com isso, o desempenho do candidato no exame escrito fica comprometido.

A recomendação foi enviada ao Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), que tem dez dias para se manifestar. Ela não tem valor de ordem judicial, mas deve ser observada para evitar futuras ações judiciais.

    Leia tudo sobre: Enem
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.