Inep espera tranquilidade e menos faltosos no Enem

Em 2009, 40% dos inscritos deixaram de fazer a prova. Presidente do órgão diz que prevê que as provas transcorram bem

Priscilla Borges, iG Brasília |

A menos de 24 horas da aplicação de provas que mobilizarão 4,6 milhões de estudantes e 330 mil pessoas trabalhando em 1,8 mil municípios, o presidente do órgão responsável pelo Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), Joaquim José Soares Neto, se diz tranquilo. Segundo ele, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) planejou e estruturou a operação com toda a segurança e sigilo possíveis.

“Foi um ano intenso de trabalho desde janeiro. Foram feitos convênios com as polícias, as Forças Armadas e a Polícia Federal. Não há uma prova sendo transportada sem escolta. Estou satisfeito com o trabalho realizado”, disse Neto ao iG . Sobre a proibição de uso de relógios e lápis, ele diz que todas as decisões foram tomadas para garantir a lisura do processo. “Relógios podem transmitir ou receber dados e, no caso dos lápis, os estudantes podem se esquecer de passar a caneta e o equipamento de leitura ótica é menos sensível ao grafite”, esclarece.

Depois do vazamento das provas às vésperas da aplicação do Enem no ano passado, os processos foram reformulados e todos os olhares estão voltados para o exame nesse momento. Apesar de toda a pressão, Neto se diz seguro. Espera que os dois dias de provas sejam tranquilos e que, inclusive, mais candidatos façam os testes, marcados para este final de semana.

Em 2009, 40% dos 4,1 milhões de estudantes inscritos para participar da prova deixaram de fazer o Enem. Foi o maior índice de abstenção da história, chegando a 1,6 milhões de faltosos. Este ano, Neto não acredita que a situação vá se repetir. “Não houve imprevisto. A tendência é que as pessoas já tenham se programado para fazer a prova amanhã. A abstenção deve diminuir sim”, afirmou. Ele não arriscou números, mas lembrou que concursos e vestibulares possuem índices de abstenção que variam entre 18% e 20%.

Gabaritos e resultados

Segundo Neto, a opção de só divulgar os gabaritos oficiais quase dois dias após o término do exame – depois das 18h de terça-feira, 9 de novembro – foi feita por motivos de segurança. “Ninguém vai discutir gabarito de provas antes de elas terminarem. Só vamos discutir esse assunto na segunda-feira, por medidas de segurança. Por isso os gabaritos serão divulgados na terça”, afirma.

Os estudantes não podem apresentar recurso às respostas no Enem. Essa não é uma previsão feita no edital, porque nunca foi levantada a possibilidade no exame. No futuro, Neto não descarta a possibilidade de mudar isso, caso haja demanda e discussão a respeito. Os resultados das provas serão divulgados na primeira quinzena de janeiro. Neto garante que, este ano, os participantes receberão os relatórios com os significados das notas. Mas não há data prevista.

    Leia tudo sobre: educaçãoeneminepabstenção

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG