Candidata no Rio faz Enem pela quarta vez e culpa escola pública

Aluna do curso de biomedicina teme perder bolsa porque não aprendeu o que deveria no ensino médio

Priscila Bessa - iG Rio de Janeiro |

A aluna de biomedicina do Centro Universitário IBMR Erica Oliveira, de 23 anos, já fez o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) três vezes e achou que não precisaria mais passar pelo teste. Neste sábado, foi novamente fazer a prova na PUC-RJ, na zona sul do Rio de Janeiro.

Leia também: Rapaz perde Enem por chegar um minuto na PUC-Rio

Atualmente, ela tem uma bolsa que exige que tire nota 7 em todas as disciplinas, mas não consegue ter bons resultados em biofísica e culpa a escola pública em que estudou o ensino médio pelo desempenho. “Eu tive aprovação automática em física quando estava no colégio. Então, todo mundo passou sem saber nada. Agora estou com dificuldade em biofísica”, lamenta enquanto vê no Enem mais uma vez a chance de continuar na faculdade. Segundo Erica, o diretor da faculdade vai oferecer uma bolsa parcial para ela se tirar uma nota razoável no Enem.

Priscila Bessa
Érika Oliveira, 23 anos, diz ter dificuldade na faculdade particular por ter sido aprovada automaticamente em física. Agora fará Enem para recuperar a bolsa perdida

Assim como ela, Inês Navia Castro, 52 anos, também está fazendo uma nova tentativa de estudar via Enem. Ela quer cursar antropologia na Universidade Federal Fluminense (UFF), mas chegou atrasada no ano passado. Desta vez, às 11h, já estava pronta na frente do local de prova. Boliviana, Inês mora no Brasil há 26 anos, e começou a estudar para aprender português. “Nunca imaginei que fosse completar o segundo grau. Quando consegui, a emoção foi tão grande que meus professores me incentivaram a cursar uma faculdade. Por que não?”, conta a candidata que acordou às 5h, escutou a missa das 8h e foi fazer a prova.

Priscila Bessa
Inês Navía Castro, 52 anos, boliviana, faz o Enem após ter perdido a prova no ano passado por chegar 1 minuto atrasada

Divisão sobre cotas

O casal Nilson Bruno Fernandes, 19 anos, e Francesca Colazingari, 17 anos, também chegaram cedo na PUC-Rio. “É a primeira vez que faço o Enem, tê muito nervosa, e fiquei tão preocupada que estou levando quatro canetas”, conta Francesca, aluna do colégio São Paulo, na zona sul do Rio de Janeiro, que quer cursar direito ou relações internacionais. Questionada sobre a nova lei das cotas a ser adotada nas universidades federais, Francesca foi enfática: “Acho justo, porque tem gente que não tem como pagar faculdade particular. A pública deveria ser apenas para quem não tem condições e os negros passaram anos de escravidão e merecem uma compensação”.

Já o namorado, negro, disse ser contra a lei. “Acho q precisa investir primeiro na educação, senão sempre vai haver separação de classes. Se todos pudessem disputar nas mesmas condições, isso não aconteceria”, justifica. “Muita gente não vai dar conta da faculdade, porque tem uma base ruim. Isso só aumenta o preconceito, porque acham que vamos pegar a vaga deles”, explica Nilson, que mesmo assim vai se inscrever pelas cotas nas universidades para tentar vaga em administração.

Priscila Bessa
Nilson Bruno Fernandes, 19 anos, e Francesca Colazingari, 17 anos: namoro completa 9 meses amanhã

Também foram acompanhadas para fazer a prova a mãe Nuvia Branco, 32 anos, que quer cursar gastronomia, e a filha Carolina Cristina Oliveira, 17 anos, que vai tentar vaga para pedagogia. Nuvia é confeiteira e vai fazer o Enem pela primeira vez . Até que eu estou calma agora, tenho que levar um laudo para fazer a prova porque tenho dislexia, diagnosticada há pouco tempo. Então, vou ter um leitor para me ajudar”, conta. O profissional acompanha candidatos com dificuldades de visão, audição e disléxicos e lê todas as questões para eles. Ao final da prova, uma fita em que essas leituras são gravadas é entregue ao fiscal junto com a folha de respostas, para garantir que o leitor não ajudou nas matérias.

Veja fotos do primeiro dia do Enem:


 Os candidatos do Enem fazem 90 questões de Ciências Humanas e Ciências da Natureza neste sábado. O i G e o Cursinho da Poli farão a correção comentada das questões a partir das 18h . Neste domingo, as provas são de Linguagens e Matemática e suas Tecnologias e a redação. 

    Leia tudo sobre: Enemprovasensino médio

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG