Mercadante: questões do Enem serão públicas quando chegarem a 50 mil

Ministro da Educação afirma em congresso que trabalha para aumentar banco de itens e disponibilizá-los a todos os interessados

Cinthia Rodrigues, iG São Paulo |

O ministro da Educação Aloizio Mercadante afirmou que todas as questões possíveis do Exame Nacional do Ensino ( Enem ) serão abertas aos interessados quando o Banco Nacional de Itens chegar a 50 mil. “Se algum aluno decorar as respostas para as 50 mil, ótimo, queremos ele na universidade”, disse no Congresso Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime) em São Bernardo do Campo.

De acordo com ele, um mutirão eletrônico foi feito entre as 36 universidades federais “fortaleceu muito o banco de questões”. “A experiência foi tão bem sucedida que vamos repetir”, disse. No entanto, antes de serem usadas, as questões têm que passar por pré-testes como o que resultou no vazamento das perguntas do Enem de 2011. “A Teoria de Resposta ao Item sempre vai exigir o pré-teste, mas nós vamos agilizar isso também.”

O Ministério da Educação afirma ter 6 mil questões disponíveis para uso no Enem, mas o vazamento de uma prova com 14 questões idênticas as que foram aplicadas no teste colocou em dúvida se todas estariam o volume realmente seria este. Apesar da promessa da liberação de questões, Mercadante não fez previsões de quando isso ocorrerá.

Prova para professores

Mercadante também prometeu lançar ainda no segundo semestre de 2012 o edital da Prova Nacional para Ingresso de Docentes para aplicar o exame em 2013. O teste, que deve ajudar os municípios substituindo concursos simultâneos e custos em cada cidade, estava prometido para este ano, mas como adiantou o iG , o processo está atrasado .

Gafe no discurso

Na maior parte de sua exposição sobre os planos do MEC, Mercadante foi aplaudido, mas também arrancou gritos de queixas. Ao falar da como o País precisa formar mais médicos, citou um déficit de 9 mil vagas no ensino superior e disse que seria difícil sanar o problema. “Não tem como formar tantos médicos só com as universidades federais e boas públicas. E médico é coisa séria que não se pode formar de qualquer jeito”, disse a plateia de dirigentes educacionais composta praticamente por professores e que lida com o problema da falta de docentes bem preparados.

Entre as que reclamaram estava a secretária municipal de Educação de Aparecida do Taboado, em Mato Grosso do Sul, Maria Célia Souto Alvarez. “Se o médico salva vidas, o professor estrutura mentalidades, forma a cabeça”, comentou. “Um médico ganha oito, dez vezes mais que um professor e ainda tem uma formação que dificulta o trabalho. Os municípios não têm dinheiro para suprir a formação que não é dada na faculdade.”

Leia série especial sobre a dificuldade dos professores em aprender a dar aula

    Leia tudo sobre: undimemercadanteenem

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG