MPF pede que Enem não seja critério de seleção para 2º semestre

Ação se baseia em investigação da PF que mostra que ao menos 29 escolas de Fortaleza tiveram acesso aos cadernos de pré-testes

Daniel Aderaldo, iG Ceará |

O Ministério Público Federal (MPF) no Ceará quer impedir que as universidades públicas do País utilizem as notas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2011 como critério de seleção para as vagas do segundo semestre.

Leia também: Oscar Costa Filho, o procurador do Ceará especialista em processar vestibular

A ação civil pública apresentada à Justiça Federal se baseia na investigação da Polícia Federal segundo a qual 28 escolas, além do Colégio Christus, de Fortaleza, tiveram acesso aos cadernos do pré-testes realizados em 2010 para o Enem . A informação foi dada em depoimento pela a representante da Fundação Cesgranrio, contratada pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) para aplicar o pré-teste.

O procurador da República Oscar Costa Filho ingressou com uma ação civil pública na Justiça Federal pedindo que o Enem não seja critério de seleção nas universidades públicas. Como grande parte das instituições de ensino superior federais utiliza o  Sistema de Seleção Unificada (Sisu) para selecionar estudantes por meio das notas do Enem, na prática, Costa Filho pede a suspensão da ferramenta. O pedido também impacta as universidades públicas que utilizam a nota do exame como a primeira fase ou como um bônus no vestibular.

Mais notícias do Ceará

Evelina Eccel Seara disse que os malotes contendo os cadernos de provas foram entregues aos coordenadores das instituições durante uma reunião realizada na manhã da realização do pré-teste, no Colégio Santo Inácio.

Em outubro do ano passado, o Ministério da Educação (MEC) confirmou que as questões usadas no simulado foram copiadas de um pré-teste aplicado em outubro de 2010 . O pré-teste tinha 14 das questões que caíram do Enem 2011. A denúncia levou o MEC a anular as provas de 639 alunos do 3º ano do Ensino Médio do Christus. Após o iG mostrar que alunos do cursinho também tiveram acesso às questões, o MEC estendeu a anulação a todos os vestibulandos da escola particular .

Na ação, Oscar Filho pede ainda a anulação de seleções já realizadas para o semestre 2012.2 que tenham utilizado as notas do Enem.

    Leia tudo sobre: enemcearáprocuradoria

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG