Cresce a adesão à educação domiciliar nos Estados Unidos

1,5 milhão de crianças recebem ensino fora das salas de aulas. Entre as vantagens da prática estão qualidade e rapidez no aprendizado

Carolina Cimenti, de Nova York, especial para iG |

À primeira vista, a educação doméstica ou domiciliar, conhecida nos Estados Unidos como home school, causa estranheza. Como um pai ou uma mãe podem ser capazes de substituir a escola, mesmo sem terem experiência como professores? Parece loucura, mas nos Estados Unidos 2,9% das crianças em fase escolar não frequentam salas de aula tradicionais, mas são ensinados em casa pelos pais ou por tutores.

A prática conhecida como home school já é a realidade de mais de 1,5 milhão de crianças e adolescentes, e esse número aumenta em média 7% ao ano, de acordo com o National Center for Education Statistics (Centro Nacional para Estatísticas em Educação) do governo americano. E o que pode ser mais surpreendente, com bom resultado.

Leia também : No Brasil, convictos da educação domiciliar travam guerra judicial

As pessoas mais interessadas na educação de uma criança são os pais dela. Se você tira as decisões educacionais das mãos do Estado ou de uma professora desconhecida, e as coloca nas mãos dos maiores interessados, é muito provável que os resultados serão excelentes”

Uma avaliação realizada pelo National Home Education Research Institute (Institute Nacional de Pesquisa sobre Educação Domiciliar) com mais de 10 mil estudantes dos 50 estados norte-americanos demonstrou que os chamados “homeschoolers” obtiveram pontuação mais alta que os estudantes das escolas públicas e privadas americanas em todas as matérias pesquisadas (leitura, língua inglesa, matemática, ciência e estudos sociais). Enquanto os representantes das escolas públicas e privadas pontuaram uma média de 50 pontos, os estudantes domiciliares atingiram em média 86 pontos.

A editora da revista digital Practical Homeschooling (Educação doméstica na prática, em tradução livre), Mary Pride, diz que é fácil entender esses resultados. “As pessoas mais interessadas na educação de uma criança são os pais dela. Se você tira as decisões educacionais das mãos do Estado ou de uma professora desconhecida, e as coloca nas mãos dos maiores interessados, é muito provável que os resultados serão excelentes”, afirma Mary. Além disso, a educação domiciliar é normalmente feita em grupos muito pequenos ou mesmo no formato de aula particular, quando o professor, seja ele um profissional ou uma mãe, está observando atentamente o aprendizado do aluno. Nenhuma dúvida passa despercebida.

Reprodução
Revista nos EUA ajuda pais interessados em educar filhos em casa
Reconhecimento na década de 90
Até o início dos anos 90, ensinar em casa era um crime nos EUA. Na década de 80, centenas de famílias lutaram legalmente pelo direito de educar seus filhos domesticamente. Um a um, esses casos foram sendo reconhecidos, e a prática de home school foi ficando mais conhecida. Progressivamente, cada um dos 50 estados americanos começou a ajustar a sua legislação para regulamentar a prática. Finalmente em 1993 todos regularizaram a escola doméstica, porém até hoje as leis são diversas em cada um deles. “Atualmente nos EUA praticamente todo mundo conhece pelo menos uma criança sendo educada pelos pais em casa”, afirma Mary.

No estado de Nova York por exemplo, os passos necessários para uma família que quer educar seus filhos em casa envolve notificar a secretaria da educação antes do início do ano letivo, preencher um documento sobre qual será o plano de educação (currículo), manter o registro de datas e horas das aulas por pelo menos 180 dias por ano, enviar um relatório a cada trimestre explicando os temas tratados e o desempenho do aluno e, por fim, enviar um relatório final anual, juntamente com o relatório do quarto trimestre, com uma avaliação escrita sobre o aluno

Alguns estados ainda aplicam testes independentes a cada ano para testar os estudantes, mas a avaliação geral é efetivamente feita com as provas nacionais chamadas SAT e ACT, pré-universitárias – o “Enem” norte-americano. Normalmente, a pontuação dos estudantes “caseiros” é vários pontos mais alta que a média.

Qualidade e rapidez no ensino
Rebecca Kochenderfer mora na Califórnia e tem três filhos, de 20, 18 e 15 anos. Ela os educou em casa, com a ajuda do marido, dos pais de outras crianças (nas chamadas cooperativas educacionais), e de professores particulares. “Assim que eu fiquei grávida do meu primeiro filho, eu decidi que não queria colocá-lo na escola porque, sendo professora, eu via de perto como as coisas funcionavam: muita perda de tempo, pouca atenção personalizada e diversos professores mal informados”, conta Rebecca.

Carolina Cimenti
Rebecca Kochenderfer educou os filhos em casa e agora tem um site sobre o ensino domiciliar
Ela explica que as grandes vantagens da educação doméstica são a qualidade do ensino, o controle que os pais passam a ter sobre a educação dos filhos e o fato das crianças aprenderem não só a matéria, mas sobre elas mesmas e as formas que elas preferem estudar e se educar. “Trata-se do aprender pelo prazer de aprender, não para simplesmente passar em uma prova e depois esquecer. Eu nunca vou esquecer do dia que meu filho me chamou para repassarmos a lição de multiplicação porque ele ainda não estava seguro para ir adiante. As escolas tradicionais não têm espaço para isso”, afirma Rebecca, que de tanto se aprimorar em educação domiciliar, lançou o site mais visitado em todos os EUA sobre o tema: www.homeschool.com .

Atualmente Rebecca está viajando pelos Estados Unidos para escrever um guia sobre educação domiciliar e dar dicas sobre lugares que podem ser visitados em cada estado para enriquecer a educação das crianças. “Home school envolve muitas visitas a museus, bibliotecas, teatros e exposições. É importante aprender com o mundo, não só com os livros”, explica a mãe-educadora, que conversou com o iG durante a sua rápida passagem por Nova York.

Trata-se do aprender pelo prazer de aprender, não para simplesmente passar em uma prova e depois esquecer”

Outra grande vantagem deste tipo de educação é a rapidez. Enquanto uma criança matriculada em uma escola tem que passar toda a manhã ou toda a tarde em sala de aula, o ensino em casa é normalmente feito em uma ou duas horas por dia. Significa muito mais tempo livre para as atividades extracurriculares e passeios. “É por isso que muitos jovens atores ou cantores optam pela escola domiciliar”, diz Rebecca.

Falta tempo para pais e socialização a crianças
Mas é claro que existem desvantagens também. A maior delas é a perda ou diminuição da receita familiar, pois um dos pais tem que trabalhar menos ou parar completamente para se dedicar a educação dos filhos. Por outro lado, diminui também o custo da escola, se ela for particular. Outra desvantagem muito defendida pelos críticos da escola doméstica é a falta de socialização. Por outro lado, aumentando o tempo para atividades extracurriculares, as possibilidades de aumentar o contato com outras crianças também existe. O problema, porém, mais comum, que atinge mais de 90% dos pais que optaram por educar seus filhos em casa, é bem mais prosaico: falta de tempo e de oportunidades para limpar a casa e colocar as coisas em ordem, afinal as crianças passam mais tempo no ambiente.

“Esse realmente é um problema sério. Existem pais e mães que desistiram da escola doméstica por causa disso”, conta Mary. Rebecca, do alto dos seus três filhos educados em casa, concorda. “Eu e meu marido tivemos que baixar o nosso padrão de limpeza e arrumação quando começamos a educar os nossos filhos. Era divertido tê-los em casa e educá-los, mas por um tempo, tivemos que pagar esse preço”, concorda Rebecca.

Para quem olha de fora e passou toda a vida estudantil acordando às 6h30 da manhã para ir à escola, porém, a grande vantagem da educação doméstica está em outro fator: a liberdade. É difícil encontrar duas famílias que sigam o mesmo padrão em relação às “aulas”. Tem quem acorde cedo para estudar duas horas e depois ter o dia livre. Tem quem lê para os filhos até tarde da noite e depois os deixa levantar às onze da manhã. Tem quem gosta de dar aula de física e matemática na beira da piscina.

Grupos de pais e mães que optam pelo tipo de ensino às vezes se juntam para cada um dar uma aula específica, e assim aquele que odeia química e biologia não precisa sujar as mãos (e se formam as chamadas ‘escolas cooperativas’). E tem os grandes premiados, que estudam de quatro a cinco horas por dia na primavera e no outono, para passarem temporadas longas na casa da praia ou esquiando na montanha. São as famílias “a cigarra e a formiga”. A verdade é que para escola domiciliar não existem muitas regras. Desde que o estudante aprenda, pode-se tirar férias quando se quer e pode-se dar aula no parque, no zoológico ou na beira da praia.

Carolina Cimenti
Angela F visitou a ONU com o filho e outros estudantes domiciliares. Para ela, vantagem de educar filhos é a chance aproveitar Nova York
Angela F. mora no Queens, em Nova York, e tem três filhos, de 17, 15 e 10 anos, todos estudantes domésticos. Para ela, a grande vantagem de educar seus filhos em casa é a chance de poder aproveitar a cidade ainda mais – principalmente para fins educacionais. “Nova York tem tantos museus, tantas exposições e tanta arte, que é a perfeita cidade para se aprender na rua”, afirma Angela. A semana “letiva” na sua casa vai de domingo a domingo. De segunda a quinta-feira, ela dá aula aos filhos em casa. Na sexta-feira e no final de semana é hora de peregrinar.

No final de semana passado, a peregrinação incluiu aula de dança no sábado e uma visita à ONU no domingo. “Fomos com um grupo de estudantes domésticos, e as crianças participaram tanto que eu acho que ainda vai render assunto para toda a semana, inclusive para a redação de quarta-feira”, diz a mãe-professora. Pois é, porque tem isso, pais que educam os filhos em casa, acabam educando 24 horas por dia. “Qualquer cartaz no metrô ou troco que eu recebo no supermercado serve para termos conversas sobre ortografia ou matemática, a aula passeia com a gente”, explica Angela.

Finalmente, todas as famílias entrevistadas para essa matéria concordaram em uma coisa: cuidar da educação dos seus filhos em casa quer dizer passar mais tempo com eles e aprender muito com os pequenos, além de ensiná-los. “Não tem mãe mais letrada em Twitter, Facebook e em como utilizar todos os eletrodomésticos da casa do que eu. Até programar o horário da lavadora de roupas eu sei”, afirma Angela, orgulhosa dos seus aprendizados.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG