Contra obesidade, instituto do Rio elabora cardápio variado para merenda escolar

Diversas instituições de ensino estão retomando as aulas neste mês e, com isso, a questão da obesidade infantil nas escolas volta à tona. Uma pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) sobre a saúde escolar divulgada em dezembro mostra que no País os alunos ainda comem muito mal. Para combater isso, a Prefeitura do Rio de Janeiro tem buscado desenvolver cardápios balanceados das merendas escolares da rede municipal de ensino com o objetivo de oferecer aos estudantes uma alimentação saudável e adequada.

Anderson Dezan, iG Rio de Janeiro |

Os cardápios são elaborados pelo Instituto Municipal de Nutrição Annes Dias com base nas diretrizes do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), do governo federal. O plano alimentar é composto por quatro semanas de cardápios (semana A, semana B, semana C e semana D) de acordo com o tipo de refeição a ser fornecida. As refeições levam em consideração alguns aspectos, como o tempo de permanência do aluno na escola, a faixa etária da criança, a relação custo-benefício da utilização de alguns alimentos e a safra de hortaliças e frutas. 

Cardápio de uma semana na Escola Municipal Nerval de Gouveia, no Rio de Janeiro

Segundo a secretaria municipal de ensino, os cardápios são os mesmos para todas as 1.063 escolas e sua execução acontece de forma alternada. Na lista, estão previstos alimentos variados ¿ carne bovina, frango, peixe, arroz, feijão, macarrão, legumes, verduras e frutas ¿ que buscam promover a formação de hábitos alimentares saudáveis dos mais de 700 mil alunos matriculados no município do Rio. Por mês, são servidas na capital fluminense mais de sete milhões de refeições nas escolas.

Políticas

De acordo com a diretora do Instituto Municipal de Nutrição Annes Dias, Maria de Fátima França, a distribuição dos nutrientes no cardápio da rede municipal de ensino acontece de forma equilibrada, seguindo as recomendações por faixa etária.

Vale destacar no cardápio a ausência de doces, frituras e alimentos ultra-processados, como salsicha, sucos artificiais e comidas e bebidas prontas para o consumo. Também fazemos restrição ao consumo de alimentos gordurosos e adequamos a quantidade de sódio em relação ao consumo de sal, ressalta.

A diretora informou que, para 2010, estão previstas algumas pequenas adequações no planejamento do cardápio para atender a Lei nº 11.947, de 16 de junho de 2009. O texto indica que pelo menos 30% dos repasses do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) devem ser usados na aquisição de produtos da agricultura familiar.

Crianças na fila da merenda

Dados da secretaria municipal de Educação mostram que, em 2009, a cidade do Rio teve uma despesa anual de mais de R$ 92 milhões com a merenda escolar. Para este ano, a previsão da pasta é que o valor investido seja de quase R$ 112 milhões.

Para a nutricionista Karolyne Aguiar, formada pela Universidade Veiga de Almeida, o cardápio da rede municipal de ensino do Rio consegue atender às necessidades básicas de seu público alvo. Ela ressalta que é na infância que os bons hábitos alimentares começam e que, portanto, esse cardápio tem que ter essa preocupação.

"As proteínas estão bem escolhidas e sem repetição. Os nutrientes também são bem distribuídos, com guarnições saudáveis e acompanhamentos corretos. A farofa é servida uma vez por semana por ser rica em gorduras", avalia. 

Aplicação

A alimentação é importante no desenvolvimento e na aprendizagem dos alunos. A criança alimentada corretamente desenvolve melhor o raciocínio e, consequentemente, aprende com mais facilidade, avalia a diretora da Escola Municipal Nerval de Gouveia, Regina Pinho. Desenvolvemos campanhas para incentivar os alunos a lancharem na escola e não trazerem guloseimas, muitas vezes não nutritivas, de casa, completa. 

A instituição de ensino foi uma das avaliadas no segundo semestre de 2009 pelo Prêmio de Gestor Eficiente da Merenda Escolar. Na ocasião, a cidade do Rio ficou com o troféu na categoria Capitais e grandes cidades. Na escola municipal, localizada no bairro de Ramos, na zona norte da capital fluminense, estudam cerca de 1.200 alunos do 1º ao 9º ano do Ensino Fundamental ¿ divididos em dois turnos. 

Alimentos utilizados na escola para a preparação da merenda

Devido ao alto número de estudantes, a instituição prepara diariamente 26 quilos de arroz, 12 quilos de feijão e 60 quilos de carne (bovina, frango ou peixe), sem contar legumes, verduras e frutas, servidas como sobremesa. Os alimentos são entregues todos os dias por uma empresa terceirizada.

Para facilitar a vida dos estudantes, o cardápio da semana é exposto da porta do refeitório. A escola também é obrigada a realizar uma contagem de quantos alunos lancharam naquele dia. Se a procura foi baixa, eles fazem uma pesquisa de satisfação para tentar ajustar o cardápio ao gosto dos estudantes. 

Equipe de merendeiras da escola

Procuramos sempre fazer a comida mais saborosa possível para que não sobre nada e as crianças se alimentem bem, afirmou a merendeira Elisabeth Pronestino, na função há sete anos. Os alunos gostavam muito do macarrão com salsicha, mas esse prato foi cortado por causa do alto nível calórico. Atualmente, eles são fãs de carne com farofa de couve e macarrão à bolonhesa. Já a moela foi tirada porque eles não gostavam muito.

*Crédito das fotos: Anderson Dezan

    Leia tudo sobre: merenda

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG