Conselho da USP para mudar vestibular deste ano é suspenso

Propostas que alteram regras do processo seletivo seriam avaliadas, mas reunião foi suspensa devido a assassinato na véspera

Cinthia Rodrigues, iG São Paulo | 19/05/2011 06:00 - Atualizada às 11:11

Compartilhar:

O Conselho de Graduação da Universidade de São Paulo (USP) suspendeu a reunião que analisaria nesta quinta-feira - pela terceira e última vez - propostas de mudanças no vestibular. As alterações defendidas pela pró-reitora de Graduação, Telma Zorn, tornam a seleção mais rigorosa. O encontro foi suspenso devido ao assassinato de um estudante de 24 anos dentro da Cidade Universitária.

Ainda não há nova data para a reunião. Nos conselhos anteriores não houve concenso e a votação foi adiada. O prazo para incluir novas regras no vestibular 2012, cujo calendário já foi divulgado, se esgota neste mês. 

Mudanças em pauta Como é Como ficaria
Nota de corte mínima para passar a 2ª fase 22 de 90 questões 27 de 90 questões
Definição da nota de corte das carreiras acima do mínimo Estabelecido de forma que sejam aprovados 3 por vaga para a 2ª fase

Seria estabelecido um número entre 2 e 3 por vaga conforme as notas

Mobilidade dos candidados entre as carreiras Só concorre a vaga no curso em que se inscreveu Se não aprovado na área, poderia usar a nota para outras após a 3ª chamada
Notas da 1ª fase Só contam para ir à 2ª fase Seriam somadas com as da 2ª para o resultado final
Prova do 2º dia da 2ª fase 20 questões dissertativas 16 questões dissertativas

 

Na última reunião foi apresentado um estudo mostrando o impacto que as mudanças teriam se estivessem valendo nos vestibulares dos últimos dois anos após o aumento da possibilidade de bônus para estudantes de escolas públicas. Em 2010, seria aprovado um aluno a mais de escola pública do que ocorreu no sistema vigente e em 2011 seriam 11 a mais. 

Segundo uma representante dos alunos, o adiamento da decisão foi feito quando estava claro que as propostas de aumentar a dificuldade de ingresso não seriam aprovadas. Telma afirmou que pediu mais tempo para que um vídeo com a argumentação apresentada pudesse ser produzido e compartilhado com representantes das unidades.

Para Telma, a alteração que permite a escolha de outro curso para os alunos que fizeram boa pontuação, mas não foram aprovados para a carreira em que se inscreveram é suficiente para preencher as vagas que podem sobrar com o aumento da nota de corte. Ela admitiu, no entanto, que a maioria das medidas tem o objetivo de aumentar a seleção dos ingressantes. “Isso aponta na direção de aumentar a qualidade dos alunos. Nós professores temos que nos manter bem formados, mas a massa da universidade é formada por todos e temos de aprovar os melhores para a nossa universidade.”

    Notícias Relacionadas



    Ver de novo