Conheça as ¿sociedades alternativas¿ de hoje

Para aqueles que sonham em fugir do caos e poluição das grandes cidades para viver em meio à natureza, trabalhar com o cultivo da terra e viver em uma sociedade onde se tem como ideal uma convivência harmoniosa entre seus integrantes, saibam que essa já é uma realidade.

Paula Menezes |

Acordo Ortográfico

As chamadas comunidades sustentáveis vêm se espalhando pelo Brasil e por outros países, enfatizando a consciência ecológica em um mundo onde a principal preocupação é como reverter os quadros de danos à natureza, causados pela poluição.

Também conhecidas como comunidades verdes ou eco vilas, as comunidades sustentáveis possuem casas com arquitetura especializada de modo a utilizar o quanto menos os recursos naturais, sendo a ventilação e iluminação o mais natural possível . A utilização energia solar ou eólica é muito comum. Dentro dessa ideia, as vilas também são projetadas de modo a incentivar caminhadas e o uso de bicicletas.

Claro que todo esse processo pede o reaproveitamento do lixo produzido. O lixo em si é reciclado, o esgoto vira adubo e a água das chuvas é reaproveitada para regar as plantações. Além disso, o cultivo é sempre orgânico, ou seja, sem a utilização de componentes químicos como inseticidas, o que garante a saúde do solo.

Por que sustentáveis?

São chamadas de sustentáveis devido ao seu modo de vida, que atende as necessidades básicas da população de forma a dar continuidade para as gerações futuras.

Membro e fundador da comunidade Associação Yamaguishi, em Jaguariúna, interior de São Paulo, Romeu de Mattos Leite explica que escolheu viver em comunidade na busca de um melhor estilo de vida, há 20 anos. Aqui não existe nenhum chefe, nenhum guru, ninguém que tenha uma posição superior. Todos são iguais, não existe hierarquia. O que une as pessoas aqui é a busca por um modo de vida harmônico entre elas e a natureza, tendo como base a cooperação mútua .

Mattos Leite comenta que, atualmente, 27 famílias vivem na comunidade e todos estão envolvidos nas atividades de trabalho do local. Apenas a educação das crianças acaba por ser feita fora da comunidade, em uma escola na cidade vizinha, Holambra.

Sociedade hippie

Não é totalmente errada a ideia lhe remeter às sociedades hippies de antigamente. O antropólogo e Diretor Científico do Nupaub ¿ USP, Antonio Carlos Diegues, explica que o forte destas experiências foram nos anos 60 e 70, na mesma época em que comunidades hippies se constituíram no Brasil. Mas comenta que a diferença é que anteriormente a preocupação não era somente ambiental, e sim uma critica severa ao modo de vida industrial que estava se implantando.

Diegues acredita também que essa pode ser uma tendência. A impressão que eu tenho é que existe de fato uma fuga crescente da classe média urbana preocupada com a qualidade de vida em direção ao meio rural .

As Eco vilas se espalham por todo o Brasil. Além da Yamaguishi, existe a Associação Ilha do Futuro, em Resende, Rio de Janeiro e a Figueira, na cidade Carmo da Cachoeira, em Minas Gerais. Outro exemplo é a comunidade Visão Futuro ¿ Ecovila Comunidade Escola, em Porangaba, São Paulo, além de diversas outras.

Leia mais sobre: Comunidades sustentáveis

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG