CNE vota novas diretrizes para o ensino médio nesta quarta

Proposta é dar liberdade para escolas e sistemas montarem currículo para aumentar interesse dos alunos

iG São Paulo |

O Conselho Nacional de Educação (CNE) vota nesta quarta novas diretrizes para o ensino médio. Conforme adiantou o iG, a resolução vai dar liberdade a escolas e sistemas de ensino para que montem a grade curricular mais interessante aos alunos com ênfase em trabalho, ou ciência e tecnologia ou em cultura.

A flexibilização é uma proposta do conselho debatida há 8 meses e que ganhou na semana passada apoio das secretarias de educação estaduais – responsáveis por mais de 90% das matrículas desta etapa. Em São Paulo, o secretário-adjunto disse que é “muito favorável” ao agrupamento de disciplinas .

O ensino médio tem os piores indicadores de aprendizado e conclusão da educação brasileira: apenas metade dos matriculados conclui os estudos e 10% aprende o que seria o mínimo adequado segundo as expectativas vigentes.

A expectativa é que as novas diretrizes criem diversidade de projetos que atraiam os jovens. “Vamos deixar bem claro que cada escola ou sistema está liberado para enfatizar mais uma ou outra área sem se prender a cargas horárias. Tem que ensinar matemática, português e outros conteúdos sim, mas pode ser dentro de um projeto sobre o que for melhor para a comunidade, pode ser uma hora ou 200 horas”, explica o relator da proposta, José Fernandes de Lima.  Após aprovação no CNE, o texto segue para homologação do ministro da Educação, Fernando Haddad.

Mais tempo

A flexibilização pode ser também de tempo de aula. O ensino médio precisa ter no mínimo 2.400 horas de aula divididas em três anos, mas as novas diretrizes deixam claro que pode haver atividades fora do horário comum e da sala de aula. Outra alternativa para os sistemas seria reduzir o tempo de aula por dia e aumentar o total de semestres.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG