Campeã de Prouni: em cidade mineira, 1 em cada 106 ganhou bolsa

Com 10 mil habitantes e nenhuma escola particular, Engenheiro Caldas teve 97 classificados na primeira chamada do programa

Cinthia Rodrigues, iG São Paulo |

Com 10.276 habitantes contados no último Censo, a pequena Engenheiro Caldas, em Minas Gerais, destoa entre as cidades com mais aprovados na primeira lista do Prouni. Só de bolsas integrais, foram 97: uma para cada 106 habitantes do município, enquanto a média brasileira, incluindo bolsas parciais, é de menos de um por mil pessoas.

Vários fatores ajudaram a fazer de Engenheiro Caldas a campeã brasileira de convocados em relação ao tamanho da população. A começar pela facilidade com que os caldenses atendem os pré-requisitos para se candidatar às bolsas.

Arte sogre Google Maps
Com 10 mil habitantes, Engenheiro Caldas teve 97 pré-classificados para bolsas no Prouni
Para concorrer, é preciso ter renda familiar de até um salário mínimo e meio por pessoa (R$ 810 para cada) e haver feito todo o ensino fundamental e médio em escola pública. Na cidade mineira com economia baseada em cerâmicas e pequenos comércios, a renda média é de R$ 350 e não existe escola particular.

Arte iG
Cidade fica na região de Governador Valadares
Transporte escolar foi usado no Enem
A parte mais difícil para os candidatos foi prestar o Exame Nacional de Ensino Médio (Enem), cuja nota mínima de 400 pontos em cada disciplina é obrigatória para se inscrever no Prouni. Apesar de haver cerca de 200 inscritos na cidade, o Ministério da Educação (MEC) não aplicou a prova ali e todos foram direcionados a cidades vizinhas.

Só a minoria tinha condições de fazer a viagem com carro particular. A solução foi dada pela prefeitura, que colocou os ônibus escolares, normalmente usados para o transporte de estudantes da zona rural, para fazer o trajeto. “Anunciamos na rádio comunitária por semanas e, nos dias, levamos 160 estudantes para prestar o Enem”, conta a secretária de Educação, Rosemere Martins da Cruz.

Total de matriculados será bem menor
Também contribuiu decisivamente para a quantidade de convocados em Engenheiro Caldas, a abertura de um pólo de educação à distância da Universidade Luterana do Brasil (Ulbra) no município. Todas as bolsas integrais foram oferecidas pela instituição gaúcha – que recebe em troca isenção de impostos equivalentes às mensalidades. A falta de autonomia do pólo, no entanto, fez boa parte dos convocados desistir.

Natália Brandes Marques, de 17 anos, por exemplo, quer ser a primeira da família de cinco irmãos a cursar o ensino superior e se tornar professora. Ela pegou o ônibus da prefeitura, fez o Enem, se inscreveu e foi aprovada, mas não conseguiu enviar todos os documentos necessários para o Rio Grande do Sul em tempo. “Vou tentar de novo no meio do ano”, lamentou.

Arquivo Pessoal
Jéssica vai pegar um ônibus às 5h30 todos os dias para fazer faculdade em Caratinga: "Estou muito contente"
Já o entregador de farmácia José Bonifácio de Freitas, de 25 anos, diz que não “pensava que podia” fazer faculdade. Ele cursou a educação básica em escola pública, diz que era um aluno mediano e, quando terminou, achava que universidade “era só para rico e gênio”. “A gente mora em cidade pequena e tem a ideia de que só gente com dinheiro pode ter diploma, mas quando vi o anúncio do Prouni, tentei”, conta. Ele enviou todos os documentos que conseguiu e aguarda esperançoso a confirmação da matrícula.

Outras bolsas parciais
Além das 97 bolsas integrais que constam na lista de obrigatórias do Prouni, os caldenses conseguiram outras parciais adicionais – descontos oferecidos aos mais bem classificados no exame, mesmo sem receber isenção de impostos em troca.

Jéssica Madrona Ferraz, de 17 anos, foi uma das beneficiadas. “Eu não queria fazer um curso à distância, então optei por concorrer fora da cidade”, diz. Ela foi aprovada para Química no Centro Universitário de Caratinga. A família de seis pessoas vive da aposentadoria do pai, de R$ 1.100, mas economizou para pagar as seis primeiras mensalidades, de R$ 240 cada.

A jovem vai pagar ainda R$ 100 mensais por uma van que a pegará em casa todos os dias às 5h30. “Estou muito contente, fazer faculdade sempre foi um sonho.”

    Leia tudo sobre: Engenheiro caldasmais bolsasprounibeneficiados

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG