Banda Larga nas escolas, mas com diferencial

Capacitação será o diferencial do projeto

Redação |

O projeto Banda Larga nas Escolas, anunciado na manhã desta terça-feira pelo presidente Lula, promete ser um diferencial na inclusão de tecnologias no cotidiano escolar.

A parceria, que envolve a Anatel, Ministério da Educação (MEC), Ministério das Comunicações e a Casa Civil, vai levar computadores com acesso à internet em banda larga para todas as escolas do país até 2010, mas não vai se limitar à infra-estrutura.

Uma das dificuldades encontradas nos projetos de inclusão digital anteriores implantados no país era quanto a capacidade dos computadores e da conexão à internet.

Com acesso discado, que é o que ocorre na maioria das escolas, o professor não tem muitas vezes paciência para usar o laboratório. Até mesmo a banda larga simples não atende necessidades como o uso de alguns softwares, baixar documentos, entre outras atividades. O link de 1 megabit é um diferencial grande, eles acertaram, comenta Rose Salvini, gerente de Programas de Educação da Intel.

Outro problema com que os projetos de inclusão digital se deparam é quanto à preparação dos professores e alunos para utilizar o material recebido nas salas de aula.

De acordo com Rose, o trabalho conjunto do MEC com o Governo Federal vai colaborar para não errar, como ocorreu com a primeira tentativa do Programa Nacional de Tecnologia Educacional (ProInfo), que não funcionou plenamente porque os professores e alunos não estavam preparados para utilizar as novas tecnologias.

Uma coisa essencialmente interessante desta iniciativa do governo é que finalmente o conceito de uma escola conectada ao mundo começa a se tornar verdade graças a esta aliança, diz Daniel Igarashi, diretor de Pesquisa e Desenvolvimento da MSTech, empresa que desenvolve softwares educacionais que estimulam o uso de tecnologia nas escolas.

Capacitação

Uma cadeia de educadores será preparada pela Secretaria de Educação a Distância (SEED), do MEC, para fazer o projeto funcionar.

Os cursos presenciais de 180 horas em tecnologia da informação e comunicação na educação começam a ser ministrados nesta quarta-feira em Fortaleza,

A previsão da secretaria é de capacitar mais de 30 mil professores ainda neste mês em nove estados: Ceará, Distrito Federal, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Piauí, Rio de Janeiro, Rondônia, Roraima e Santa Catarina.

A rede de formadores será composta pelos formadores dos núcleos de tecnologia educacional (NTEs), que receberão a preparação da SEED.

Estes profissionais repassarão os conhecimentos aos multiplicadores de seus respectivos núcleos.

Em seguida, cada multiplicador irá ministrar o curso diretamente nas escolas.

Para atender à demanda de mais de 100 mil professores em todo o país ainda este ano, os estados foram divididos em três grupos cujos cursos estão previstos para chegar às escolas em abril, maio e junho, respectivamente.

Grupo 1 ¿ 19/04/2008
Ceará, Distrito Federal, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Piauí, Rio de Janeiro, Rondônia, Roraima e Santa Catarina.

Grupo 2 ¿ 17/05/2008
Acre, Alagoas, Amazonas, Bahia, Mato Grosso, Pará, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul.

Grupo 3a - 14/06/2008
Amapá, Espírito Santo, Goiás, Paraíba, Paraná, Sergipe, Tocantins.

Grupo 3b ¿ 28/06/2008
São Paulo e Minas Gerais.

Os professores interessados em participar da capacitação devem procurar a secretaria de educação do seu município ou a coordenação estadual do ProInfo, nas secretarias estaduais de Educação.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG