Aurélio incorpora palavras em inglês e expressões da internet

Nova edição do dicionário tem verbetes como bandeide, bullying, fotolog, pop-up, ricardão, saidinha de banco, test drive e tuitar

iG São Paulo | 13/09/2010 19:24

  • Mudar o tamanho da letra:
  • A+
  • A-

No ano do centenário de Aurélio Buarque de Holanda Ferreira, crítico, tradutor e lexicógrafo brasileiro, a editora Positivo lança a 5ª edição do Dicionário Aurélio, revista e ampliada. A nova versão tem 2.272 páginas e é 6% maior do que a anterior. O dicionário traz uma relação com as 3 mil palavras mais utilizadas na escrita contemporânea, escolhidas de um acervo com mais de 5 milhões de ocorrências. Há palavras e expressões usadas na internet e de outras línguas, como bullying, ecobag, fotolog, nerd, petit gâteau, pop-up, sex shop, test drive e tuitar.

A elaboração da nova edição levou seis anos e teve a coordenação de Marina Baird Ferreira – viúva de Aurélio – e de Margarida dos Anjos – assistente do autor por mais de quatro décadas –, além de uma equipe de lexicógrafos. O objetivo da nova versão é abrigar as palavras, significados e expressões que refletem a nossa época e eliminar dúvidas quanto à definição, uso e grafia.

O uso das abonações (frases que servem para demonstrar a exatidão do significado de uma palavra ou locução) também foi ampliado. O novo dicionário traz, além das citações utilizadas em edições anteriores, trechos de novas obras da literatura nacional e internacional, que demonstram como as palavras são utilizadas no discurso real de uma língua viva, orgânica e contemporânea.

As palavras que passaram a fazer parte do Aurélio têm origens em diversas áreas, como informática, biologia, botânica e genética. Confira algumas delas: agrobusiness, allnews, bandeide, barwoman, biojoia, blogar, blue tooth, blu-ray disc, blu-ray player, bollywoodiano, botox, bullying, chef, chocólatra, chororô, ciabatta, combo, cookie, data-show, donut, doula, e-book, ecobag, ecojoia, ecotáxi, ecoturismo, empreendedorismo, Enem, flex, fotolog, glamorizar, hora-aula, hotspot, mix, mochileiro, nerd, odontogeriatria, pet shop, petit gâteau, pop-up, pré-sal, ricardão, saidinha de banco, SAMU, sex shop, tablet, test drive, tuitar.

    Notícias Relacionadas


    7 Comentários |

    Comente
    • João Rodrigues | 20/09/2010 19:19

      Jean está certo. Uma língua é um canal de comunicação do dia a dia, mas não é só isso. Deve ser expressão de todas as áras do conhecimento. Mas o que há hoje infleizmente é puro desleixo e preguiça em pesquisar termos de uso equivalente em português. Sabe-se lá se todos esses termos ficarão mesmo na língua falada daqui a cinco, dez anos?
      Em qual critério confiável os lexicógrafos se baseiam para dizer que 'popup', 'bullying', 'donut', 'fotolog', 'blue tooth' e outros similares são termos da língua portuguesa?
      É nisso que dá a falta de uma política de promoção da língua portuguesa, baseada em diretrizes sérias. Assim, vamos transformando o português num dialeto abastardado que mistura português e inglês.

      Responder comentário | Denunciar comentário
    • Gilberto | 15/09/2010 21:15

      A grande reforma da lingua portuguesa jamais será feita, porque desempregaria os gramáticos. e varreria a ABL. O que foi feito é um lixo de reforma ortográfica que muitos paises com razão jamais engolirão tais mudanças. O que se vê é o status quo, dos gramáticos os "senhores da lingua", como em Roma, onde só a elite dominava o latim, e se a "mãe de todas as reformas" fosse feita acabariam os segredos da lingua portuguesa. Essa reforma seria a regencia da fonética sobre a gramatica, ou seja a ortografia expressaria exatamente os sons originais da fala, e ainda aboliriamos outra vez o "k", "Y" , "W", "Ç" e outras construções totalmente dispensáveis, que só tulmultuam o apredizado, que tornam a Lingua atualmente gramaticalmente complexa para o delírio dos "eruditos".

      Responder comentário | Denunciar comentário
    • Felipe | 14/09/2010 22:36

      Dali os Jargões de TI. hehe

      Responder comentário | Denunciar comentário
    • eliseu | 14/09/2010 18:21

      Não entendo como palavras tais como petit gatêau e pop-up possam ser incluídas num dicionário de Língua Portuguesa. Como em vários países que preservam sua língua nossos estudiosos deveriam procuram palavras correspondentes. Tem país que chama HD de disco duro e mouse de rato, e nem por isso, as pessoas deixam de entender. Se não tem tradução que permaneçam em sua língua original e pronto.

      Responder comentário | Denunciar comentário
    • Jean | 14/09/2010 15:14

      Ecredito que deveria existir dentro de um dicionário da lingua portuguesa(vai entender), um anexo com termos representativos, complementares e usual. Assim teriamos uma referência da lingua culta e da lingua cotidiana. Essas palavras absorvidas a partir da preguiça ou por imposição da mídia ou moda, na minha opnião, não deveriam fazer parte dos Dicionários da Lingua Portuguesa, seja ele qual for. Mas como uma mão lava a outra e as vendas mantem a empresa em funcionamento, ficamos reféns disso tudo!

      Responder comentário | Denunciar comentário
      Robson Gomes | 15/09/2010 15:59

      Jean, a maioria das palavras que você utiliza derivam ao longo do tempo da forma como as pessoas falam, como exemplo, você usa as expressões obrigado e de nada, elas derivam de: Me sinto obrigado à lhe retribuir o favor, e não se sinta obrigado à nada. Ou ainda, você, deriva de vossa mercê. Não fosse a língua absorver com o tempo estas expressões de uso popular, teriamos hoje uma língua escrita do século XV e uma língua falada que não corresponderia em nada à escrita. A língua inglesa, por exemplo, foi falada por mais de um milênio, para depois vir a ser escrita, assim, a língua inglesa já possuí estas expressões populares enraizadas no próprio idioma. Por isto que você não vê um inglês falando errado, a língua escrita se adaptou ao que era falado.
      Este é o caminho que idiomas como o português precisa passar, afinal, quando você escreve ca, ce, ci, co, cu, você cria uma regra escrita para o segundo e terceiro termo, ce e ci, que na língua falada não teria sentido, ou seja, se a lingua fosse falada primeiro, "ce" e "ci" se leria "que" e "qui", sem nenhum problema. Agora se isto te parece ilógico, justifique a lógica de "ce" e "ci", "ge" e 'gi", possuirem sons diferentes de suas famílias.

      Denunciar comentário
    • joker | 14/09/2010 11:46

      RICARDÃO?!

      Responder comentário | Denunciar comentário

    Antes de escrever seu comentário, lembre-se: o iG não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!




    *Campos obrigatórios

    Seu comentário passará por moderação antes de ser publicado


    Ver de novo